INFERTILIDADE

Especialistas apelam à doação de óvulos e espermatozoides

A campanha “Dar vida à esperança” da Sociedade de Medicina de Reprodução pretende alertar para a importância e a urgência da doação de óvulos e espermatozoides para dar resposta à crescente procura de tratamentos de infertilidade.

Especialistas apelam à doação de óvulos e espermatozoides

“Infelizmente temos uma taxa de doação muito baixa, uma grande escassez de dadores, e imensos casais em lista de espera em Portugal para fazer tratamentos sem possibilidade de recorrer a clínicas privadas”, disse o presidente da Sociedade de Medicina de Reprodução (SPMR), Pedro Xavier.

Atualmente, o banco público de gâmetas para doação de ovócitos tem uma lista de espera de 33 meses. No entanto, mesmo os casais que possam pagar em clínicas privadas “têm de esperar meses pelo tratamento” devido à escassez de dadores, revela o presidente da SPMR, durante uma sessão de esclarecimento sobre a importância da doação de gâmetas (óvulos e espermatozoides), e onde foi apresentada a campanha de sensibilização.

Em Portugal, existe “um grave problema de natalidade” e, simultaneamente, um aumento do “número de casos de infertilidade, e infertilidade de difícil tratamento”, associada a mulheres com idades mais avançadas.

Por esta razão, “tem sido necessário recorrer cada vez mais a tratamentos com doação de gâmetas nomeadamente gâmetas femininos, sobretudo por causa da idade da mulher”.

Também há uma maior procura de tratamentos com doação de gâmetas masculinos devido ao aumento de casos de infertilidade nos homens por fatores ambientais, como a alimentação e o estilo de vida, e ao alargamento, desde 2016, dos tratamentos de procriação medicamente assistida a mulheres sem parceiro e a casais de mulheres, explicou o especialista.

Para elucidar a população, sobretudo os jovens, que são os potenciais dadores, foi criada a campanha “Dar vida à esperança”, que pretende explicar que “doar uma célula, um óvulo ou um espermatozoide não é doar um filho”.

“Nós queremos que as pessoas percebam que a doação tem que ser um ato altruísta” - não um negócio - que “vai fazer felizes muitos casais que, de outra maneira, nunca conseguirão ter uma criança”, disse.

A estratégia da campanha é direcionar a mensagem para as redes sociais, ter o apoio dos media, de médicos, psicólogos e especialistas da área da medicina da reprodução.

“Queremos que esta ação se prolongue no tempo. A ideia é não deixar cair esta mensagem e ir enraizando nas pessoas a ideia de que doar sangue salva vidas, doar gâmetas dá vida”, frisou.

De acordo com o especialista, ainda há “um certo estigma” em relação à infertilidade, o que “é triste”: “nós lidamos com os casais que vivem em amargura total porque não conseguem ter um filho e nós sabemos que há uma solução para isso”.

“Eu acho que só com iniciativas deste tipo é que conseguimos mudar as mentalidades”, porque as pessoas têm que estar informadas para tomar a decisão de doar ou não doar e “é isso que esperamos que venha acontecer no futuro”, conclui.

As estimativas apontam para a existência de cerca de 300 mil casais com problemas de infertilidade em Portugal.

Fonte: Público

OUTRAS NOTÍCIAS RELACIONADAS


ÚLTIMAS NOTÍCIAS