OBESIDADE

Políticas baseadas na escola podem ajudar na prevenção da obesidade

O aumento do índice de massa corporal (IMC) entre estudantes do ensino secundário pode ser controlado por políticas de nutrição escolar, mas não por políticas de atividade física, de acordo com um estudo publicado no American Journal of Preventive Medicine.

Políticas baseadas na escola podem ajudar na prevenção da obesidade

Investigadores da Escola de Saúde Pública de Yale em New Haven, no Connecticut, nos Estados Unidos avaliaram a eficácia da implementação de políticas de nutrição e atividade física baseadas na escola (por exemplo, alternativas para recompensas/celebrações baseadas em alimentos e oportunidades de atividade física durante/depois da escola) nas trajetórias do IMC dos alunos em 12 escolas selecionadas aleatoriamente num distrito urbano.

Os alunos foram acompanhados por três anos durante o 3.º ciclo e ensino secundário (2011 a 2015; num total de 595 estudantes).

Os pesquisadores descobriram que os estudantes nas escolas designados aleatoriamente para receber apoio para a implementação da política de nutrição tinham trajetórias de IMC mais saudáveis ​​ao longo do tempo.

A magnitude da melhora foi maior ao longo do tempo, com efeitos cumulativamente significativos três anos após a intervenção.

Alunos de escolas designados aleatoriamente para receber a intervenção nutricional tiveram um aumento no percentil de IMC inferior a um por cento versus estudantes com outras condições, cujo percentil de IMC aumentou de três a quatro por cento. Para alunos de escolas aleatoriamente designados para implementação de políticas de atividade física ou não, não houve diferença no IMC.

Os alunos do oitavo ano de escolas designados aleatoriamente para a condição nutricional consumiam menos alimentos não saudáveis ​​e bebidas açucaradas e comiam com menos frequência em restaurantes fast-food.

Esta é uma das evidências mais fortes existentes até hoje de que a educação nutricional e a promoção de comportamentos alimentares saudáveis ​​na sala de aula e no refeitório podem ter um impacto significativo na saúde das crianças, segundo os autores.

Fonte: Boa Saúde

OUTRAS NOTÍCIAS RELACIONADAS


ÚLTIMAS NOTÍCIAS