TABACO

Associações antitabaco criticam debate sobre novos produtos

Várias associações de doentes e ativistas antitabaco criticaram esta semana a realização de um debate na Assembleia da República organizado pela Tabaqueira e pelo jornal Expresso para analisar um ano da nova lei do tabaco.

Associações antitabaco criticam debate sobre novos produtos

Numa carta aberta dirigida ao primeiro-ministro e ao presidente do Parlamento, argumentam que a organização do debate tem como “intenção clara promover e legitimar os novos produtos de tabaco, nomeadamente aquele conhecido em Portugal como tabaco aquecido”.

Pedem-lhes que garanta um Parlamento sem “influência do lóbi do tabaco e seus aliados” nas suas tomadas de decisão.

“Os órgãos do Estado não devem estar envolvidos em iniciativas que envolvam a indústria do tabaco, sobretudo quando aquelas iniciativas visam promover ou legitimar os seus produtos”, invoca a plataforma, que cita uma disposição da Organização Mundial de Saúde (OMS), numa convenção para o controlo do tabaco.

Nessa convenção, estabelece-se “o fundamental e irreconciliável conflito entre os interesses da indústria do tabaco e a política de saúde pública”.

Na notícia sobre o debate, que decorreu esta quinta-feira, 10 de janeiro, o Expresso diz que o objetivo é, decorrido um ano sobre a nova Lei do tabaco, “discutir o impacto das alterações na população portuguesa” e temas como “o tabaco aquecido, as leis mais restritas de consumo e os efeitos na saúde pública”.

Os convidados incluem as deputadas Maria Antónia Almeida Santos, do PS, Teresa Caeiro, do CDS-PP, o subdiretor do organismo português para as dependências, Manuel Cardoso, e o canadiano David Sweanor, académico que defende publicamente as chamadas alternativas ao tabaco, como os cigarros eletrónicos, a vapor ou tabaco aquecido como forma de redução de riscos.

Para os signatários da carta, usar produtos como o tabaco aquecido “como ferramentas de redução de danos está longe de ser comprovada e fornecer uma mais-valia para a estratégia de controlo do tabagismo”.

Além da associação de doentes respiratórios crónicos Respira, assinam a carta a associação de sobreviventes, familiares e amigos AVC, a Confederação Portuguesa de Prevenção do Tabagismo e organizações não governamentais pelo controlo do tabagismo.

Fonte: Lusa

OUTRAS NOTÍCIAS RELACIONADAS


ÚLTIMAS NOTÍCIAS