ALIMENTAÇÃO

Café diminui risco de desenvolver Alzheimer e Parkinson

Tomar café pela manhã pode proteger contra o desenvolvimento das formas mais graves de demência, como Alzheimer e Parkinson.

Café diminui risco de desenvolver Alzheimer e Parkinson

“O consumo de café parece ter alguma correlação com um menor risco de desenvolver a Doença de Alzheimer e Doença de Parkinson. Mas queríamos investigar por que isso acontece - quais compostos estão envolvidos e como eles podem afetar o declínio cognitivo relacionado com a idade,” explicou Donald Weaver, que fez a pesquisa com os seus colegas Ross Mancini e Yanfei Wang, do Instituto do Cérebro Krembil, no Canadá.

A equipa escolheu investigar três tipos diferentes de café - de torrefação leve, torrefação forte e torrefação forte descafeinado.

“O torrado escuro com cafeína e sem cafeína apresentaram potências idênticas nos testes experimentais iniciais. Por isso, observamos desde o início que o seu efeito protetor não poderia ser devido à cafeína”, afirmou Mancini, confirmando os resultados de pesquisas anteriores que concluíram que o café descafeinado também aumenta a expetativa de vida e que não é a cafeína a responsável pelos benefícios do café para o fígado.

A equipa identificou um grupo de compostos conhecidos como fenilindanos, que emergem como resultado do processo de torrefação dos grãos de café.

Os fenilindanos são o único composto investigado no estudo que previne - ou melhor, inibe - a agregação tanto da proteína beta amiloide quanto da tau, dois fragmentos de proteínas comuns na Doença de Alzheimer e de Parkinson. “Então os fenilindanos são um inibidor duplo. Muito interessante, não esperávamos por isso”, afirmou Weaver.

Como a torrefação gera maiores quantidades de fenilindanos, o café torrado escuro parece ser mais protetor do que o café levemente torrado. E o facto de ser um composto natural, e não sintético, também é uma grande vantagem.

Apesar dos resultados mais estudo serão necessários antes que esses compostos possam traduzir-se em possíveis opções terapêuticas contra a demência.

Fonte: Diário da Saúde

OUTRAS NOTÍCIAS RELACIONADAS


ÚLTIMAS NOTÍCIAS