CANCRO

“Carcinoma da Próstata Resistente à Castração” alerta médicos

“Carcinoma da Próstata Resistente à Castração” é o mais recente livro da autoria de Fernando Calais, urologista do Grupo Português Génito-Urinário, uma obra que vem esclarecer os profissionais de saúde que tratam esta doença sobre os tratamentos que estão atualmente disponíveis no mercado, como atuam e como devem ser administrados. O livro é apresentado no dia 13 de dezembro, às 19h00, na Ordem dos Médicos, em Lisboa.

“Carcinoma da Próstata Resistente à Castração” alerta médicos

O autor explica que “este livro é dedicado ao carcinoma da próstata resistente à castração e pretendem alertar os urologistas e oncologistas para o perfil farmacodinâmico, farmacocinético e o modo de ação dos novos fármacos que existem para o seu tratamento.

Obviamente, em relação a todos os fármacos, será sempre explicado também quais as dosagens e esquemas de tratamento. Assim como interações e efeitos secundários”.

Apesar deste livro ser dedicado ao tratamento, Fernando Calais realça que o seu sucesso depende muito do estadio em que a doença é diagnosticada e explica que “a deteção precoce deve ser feita a partir dos 50 anos e até aos 70 anos. Se o homem tiver um familiar próximo (pai, avô, irmão, tio) com carcinoma da próstata deve começar aos 40 anos”.

Relativamente ao diagnóstico, o urologista esclarece que “precisamos, inicialmente, de fazer uma análise de sangue (PSA) e só depois, se se confirmar a possível suspeita, será feita uma biópsia prostática. Tem de se fazer sempre uma biópsia, uma vez que é a única maneira de confirmarmos se há ou não um carcinoma. Este procedimento é sempre feito com consentimento do doente, devendo ser-lhe sempre explicado todos os passos, assim como todos os prós e contras”.

“Há uma grande controvérsia em relação ao rastreio e diagnóstico precoce, no entanto, manda o bom senso que quanto mais cedo for possível diagnosticar, maiores são as possibilidades de sucesso no tratamento”, conclui o especialista.

De acordo com o GPGU, as causas do cancro da próstata são objeto de intensa pesquisa. É provável que diversas causas estejam na sua origem, mas sabe-se que afeta predominantemente homens maduros, sendo raramente diagnosticado antes dos 40 anos, idade a partir da qual a sua incidência aumenta consideravelmente.

Estima-se que 30 a 40 por cento dos homens com idade superior a 50 anos desenvolvam alguma forma de cancro prostático/url], embora só 20 a 25 por cento destes cancros venham a ter significado clínico.

No mundo, a incidência de [url=/pt/toda-a-saude/saude-humana/cancro-da-prostata]cancro da próstata
é muito variável consoante a zona geográfica. É maior na América do Norte e nos países nórdicos da Europa e menor nos países Asiáticos.

Embora algumas destas diferenças possam ser atribuíveis ao desenvolvimento de programas de rastreio e ao risco existente para outras doenças em algumas regiões, é provável que, em parte, se devam a uma predisposição genética, aos hábitos alimentares e outros fatores ambientais.

Os homens com antecedentes familiares de cancro da próstata apresentam um risco acrescido de desenvolver a doença: estima-se que esse risco seja dois a 11 vezes superior ao dos indivíduos sem história familiar da doença.

Existem alguns indicadores de que o estilo de vida ocidental esteja associado a um maior risco de cancro da próstata, mas não se sabe bem que fator ou fatores específicos deste estilo de vida podem estar diretamente implicados: ingestão excessiva de calorias, ingestão excessiva de gorduras e açúcar refinado, ingestão reduzida de frutas e legumes, falta de exercício físico, ou obesidade de um modo geral. Está, contudo, provado que a obesidade acarreta um maior risco de morte por cancro da próstata.

Fonte: Fonte: press release

OUTRAS NOTÍCIAS RELACIONADAS


ÚLTIMAS NOTÍCIAS