TUBERCULOSE

Países fazem esforços para erradicar tuberculose até 2030

Ministros de 75 países chegaram a um acordo para adotar medidas urgentes com vista a acabar com a tuberculose até 2030, numa reunião realizada a 17 de novembro de 2017.

Países fazem esforços para erradicar tuberculose até 2030

O anúncio foi feito na primeira Conferência Ministerial Mundial da Organização Mundial de Saúde (OMS) que tem como objetivo acabar com a tuberculose na era do desenvolvimento sustentável, através de uma resposta multissetorial, a qual reuniu delegados de 114 países recentemente em Moscovo, na Rússia.

"Hoje é um dia crucial para a luta para acabar com a tuberculose. Isso evidencia um compromisso global há muito esperado para acabar com as mortes e os sofrimentos causados ​​por esta doença letal antiga", afirmou Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor-geral da OMS, durante a conferência.

A Declaração de Moscovo para acabar com a tuberculose é uma iniciativa promissora de aumentar a ação multissetorial, monitorizar o progresso e fortalecer a responsabilidade, defende a OMS.

Também servirá de guia para a primeira Reunião de Alto Nível das Nações Unidas sobre Tuberculose em 2018, na qual os chefes de Estado serão convidados a renovar seu compromisso.

Os esforços globais para combater a tuberculose pouparam as vidas de cerca de 53 milhões de pessoas desde 2000 e reduziram a taxa de mortalidade dessa doença em 37 por cento. No entanto, o progresso em muitos países estagnou, os objetivos globais estão fora do alcance e as deficiências nos cuidados e prevenção da tuberculose permanecem.

Por isso, a tuberculose continua a matar mais pessoas do que qualquer outra doença infeciosa. Existem problemas importantes associados à resistência antimicrobiana, e a tuberculose é a principal causa de morte entre pessoas com VIH.

"Um dos principais problemas foi a falta de vontade política e o investimento insuficiente na luta contra a tuberculose. A declaração realizada deve ser acompanhada por um aumento no investimento", afirmou Tedros.
A reunião contou com a presença de ministros e delegações de dezenas de países, bem como representantes da sociedade civil e organizações internacionais, cientistas e pesquisadores.

Mais de mil pessoas participaram na conferência de dois dias, em que um compromisso coletivo de intensificar a ação foi alcançado em quatro frentes: 1. Agir rapidamente para alcançar a cobertura de saúde universal, fortalecendo os sistemas de saúde e melhorando a saúde, o acesso à prevenção e assistência à tuberculose centrada nas pessoas, garantindo que ninguém seja deixado para trás; 2. Mobilizar financiamento suficiente e sustentável através do aumento dos investimentos nacionais e internacionais para preencher as lacunas na aplicação e pesquisa; 3. Promover a pesquisa e o desenvolvimento de novas ferramentas de diagnóstico, tratamento e prevenção da tuberculose e 4. Reforçar a responsabilidade através de um quadro para monitorizar e rever o progresso no sentido de promover o fim da tuberculose, incluindo abordagens multissetoriais.

Os ministros também se comprometeram a minimizar o risco e a propagação da resistência aos medicamentos e aumentar os esforços para envolver pessoas e comunidades afetadas pela tuberculose e em risco de a contrair.

A Federação Russa, que organizou a Primeira Conferência Ministerial da OMS para acabar com a tuberculose, congratulou-se com a Declaração de Moscou.

"A tuberculose é um complexo problema multissetorial que requer uma resposta sistémica e altamente coordenada para abordar os fatores que determinam a doença.

O quadro de responsabilidade que concordamos em elaborar marca um novo começo e, com o apoio da OMS para coordenar e monitorizar o progresso, esperamos que a Declaração de Moscovo nos guie para a Reunião de Alto Nível da Assembleia Geral das Nações Unidas em 2018 ", disse Veronika Ivorevna Skvortsova, ministra da Saúde da Federação Russa.

Fonte: Boa Saúde

OUTRAS NOTÍCIAS RELACIONADAS


ÚLTIMAS NOTÍCIAS