CANCRO

Técnica de ultrassom para tratar cancro da próstata pode revolucionar tratamento

Uma nova técnica de ultrassom para eliminar tumores cancerígenos sem prejudicar o tecido saudável pode vir a revolucionar o tratamento do cancro da próstata.

Técnica de ultrassom para tratar cancro da próstata pode revolucionar tratamento

A investigação realizada pelo University College Hospital, em Londres, no Reino Unido, sugere que o tratamento é tão eficaz como a cirurgia ou radioterapia, mas apresenta menos efeitos secundários.

O estudo acompanhou 625 homens entre 2004 e 2015 que foram tratados no Reino Unido e que tinham tumores localizados, não-metastáticos. Os tumores estavam numa parte da próstata e não se tinham espalhado além da glândula.

Hashim Ahmed, um dos investigadores, revela que 93 por cento dos pacientes que se submeteram apenas a tratamentos de ultrassom para remover o seu tumor da próstata ainda estavam livres de cancro e não necessitaram de qualquer cirurgia ou radioterapia cinco anos após o tratamento.

Os resultados seguem os de um estudo anterior realizado pela mesma equipa e publicado na The Lancet Oncology em 2012, no qual de 41 homens submetidos a tratamentos de ultrassom, 95 por cento estavam livres do cancro após 12 meses. Nenhum dos pacientes desenvolveu incontinência e apenas um em cada dez sofre de disfunção erétil.

No novo estudo maior, que relata resultados de médio prazo, apenas 1 a 2 por cento dos pacientes tratados com ultrassom experimentaram incontinência de longo prazo, e 15 por cento sofriam de disfunção erétil, números que se comparam favoravelmente com os de homens sujeitos a cirurgia, dos quais 30 a 60 por cento sofrem com estes efeitos.

A nova técnica de ultrassom aquece o tecido alvo até 80-100 °C, o que permite eliminar as células de forma imediata. O procedimento não afeta o tecido saudável e pode ser realizado em ambulatório.

A técnica pode, assim, ser usada para remover pequenos pedaços de tecido afetado, em vez de toda a próstata, em homens com cancro da próstata localizado.

Fonte: Medical News Today

OUTRAS NOTÍCIAS RELACIONADAS


ÚLTIMAS NOTÍCIAS