Folheto Informativo - Informação para o utilizador
RAPIFEN®
Alfentanilo
RAPIFEN®

Leia com atenção todo este folheto antes de começar a utilizar este medicamento, pois contém informação importante para si.

- Conserve este folheto. Pode ter necessidade de o ler novamente.

- Caso ainda tenha dúvidas, fale com o seu médico ou enfermeiro.

- Este medicamento foi receitado apenas para si. Não deve dá-lo a outros. O medicamento pode ser-lhes prejudicial mesmo que apresentem os mesmos sinais de doença.

- Se tiver quaisquer efeitos secundários incluindo possíveis efeitos secundários não indicados neste folheto, fale com o seu médico ou enfermeiro. Ver secção 4.

1. O que é Rapifen e para que é utilizado



Rapifen pertence aos analgésicos fortes, também denominados opiáceos.


Rapifen é um analgésico forte e de curta duração indicado para intervenções cirúrgicas para fins terapêuticos (operações) ou com objetivo exploratório.


Rapifen pode ser usado isoladamente em adultos, ou com outros medicamentos (anestésicos ou sedativos) em adultos e crianças de todas as idades, incluindo recém- nascidos.


Rapifen também fortalece o estado de perda geral de sensibilidade (narcose ou anestesia).

2. O que precisa de saber antes de utilizar Rapifen



Não utilize Rapifen

- se tem alergia (hipersensibilidade) à substância ativa, a qualquer outro componente deste medicamento (indicados na secção 6).

- se tem alergia (hipersensibilidade) um analgésico semelhante. Advertências e precauções


Fale com o seu médico, farmacêutico ou enfermeiro antes de utilizar Rapifen.


Importante!


Rapifen é um analgésico forte e deve ser administrado apenas por profissionais de saúde habilitados.


À semelhança do que acontece com todos os opiáceos potentes Rapifen pode provocar depressão respiratória. Este efeito pode persistir ou recorrer no período pós- operatório. Assim, os doentes devem permanecer sob vigilância adequada após a cirurgia.


Informe imediatamente o seu médico ou enfermeiro, se tiver:

- Sonolência ou problemas respiratórios graves.

- Doenças dos pulmões ou problemas respiratórios, doenças cérebro, insuficiência da tiroide, fígado e rins.


Informe sempre o seu médico de modo a assegurar tratamento otimizado.


Recém-nascidos, crianças e adolescentes

Rapifen pode causar dificuldades na respiração, especialmente em recém-nascidos e

crianças muito novas.


Quando Rapifen é administrado em recém-nascidos e crianças muito novas:

- a sua respiração será cuidadosamente monitorizada durante a operação e por um período após a operação;

- o médico poderá administrar um medicamento para relaxar os músculos e prevenir a sua rigidez.


Outros medicamentos e Rapifen

Informe o seu médico se estiver a tomar, ou, tiver tomado recentemente, ou se vier a tomar outros medicamentos.


Alguns medicamentos não devem ser associados com Rapifen. Ocasionalmente é necessário adaptar a dose no caso de associações.

- Certos fármacos para a depressão, denominados inibidores da MAO não devem ser associados com Rapifen. Estes medicamentos não devem ser tomados nas 2 semanas antes da administração com Rapifen.

- Se tiver tomado outros analgésicos fortes por um período de tempo longo, deve informar o seu médico.

- Deve também informar o seu médico se bebe álcool ou toma comprimidos regularmente ou ainda se toma qualquer medicamento que diminui as suas reações (por exemplo, comprimidos para dormir, tranquilizantes, medicamento para doenças psiquiátricas).

- Eritromicina (um antibiótico), cimetidina (medicamento para a acidez do estômago) e diltiazem (medicamento usado para certos tipos de doenças cardíacas) aumentam a ação de Rapifen; será necessário menos Rapifen para atingir o mesmo efeito analgésico.

- O seu médico precisa de saber se está a tomar fármacos para a SIDA (por exemplo, ritonavir) ou certos fármacos para infeções causadas por fungos (por exemplo fluconazol, cetoconazol, itraconazol). Pode haver ajuste de dose de Rapifen.


Gravidez e amamentação

Consulte o seu médico antes de tomar qualquer medicamento.


Se está grávida ou a amamentar, se pensa estar grávida ou planeia engravidar, consulte o seu médico antes de tomar este medicamento.

Rapifen pode passar para o leite materno. Recomenda-se, por isso, não amamentar durante 24 horas após a administração de Rapifen.


Condução de veículos e utilização de máquinas

Rapifen pode ter um efeito negativo na atenção ou na capacidade de condução. É, portanto, recomendável aguardar até 24 horas após a administração de Rapifen para conduzir ou utilizar máquinas. Aconselhe-se sempre primeiro com o seu médico.


Informações importantes sobre alguns componentes de Rapifen

Este medicamento contém 0,15 mmol (ou 3,54mg) de sódio por ml de solução injetável, ou seja, é praticamente isento de sódio.

3. Como utilizar Rapifen



Utilizar Rapifen sempre de acordo com as indicações do médico. Fale com o seu médico se tiver dúvidas.


Rapifen é injetado numa veia (administração intravenosa).


A quantidade de Rapifen depende da situação. O seu médico determinará a quantidade de Rapifen a administrar com base no seu peso, idade e situação clínica.


Informação para a pessoa responsável pela administração de Rapifen, ver instruções no final.


Utilização em recém-nascidos, crianças e adolescentes

Rapifen é utilizado com outros medicamentos (anestésicos ou sedativos) em recém- nascidos, crianças e adolescentes.


- Quando Rapifen é administrado por injeção com outros medicamentos como anestésico ou para aliviar a dor em crianças mais velhas - a dose inicial é, normalmente, 10 a 20 microgramas por quilograma de peso corporal. Se necessário, podem ser administradas injeções adicionais de 5 a 10 microgramas.


- Quando Rapifen é administrado por perfusão para manter o alívio da dor em crianças durante a cirurgia - a dose usual é 0.5 a 2 microgramas por quilograma de peso corporal por minuto. Se Rapifen por perfusão é combinado com um anestésico, a dose usual é aproximadamente 1 micrograma por quilograma de peso corporal por minuto.


- Em recém-nascidos pode ser administrada uma dose mais baixa.


- Nos adolescentes a dose geralmente administrada é semelhante aos adultos. Se utilizar mais Rapifen do que deveria

No caso invulgar de acontecer uma sobredosagem, o seu médico tomará as medidas necessárias. O principal sintoma é a depressão respiratória.


Informação para o médico em caso de sobredosagem


Medidas imediatas:

No caso de hipoventilação ou apneia, deve-se administrar oxigénio e passar a ventilação assistida ou controlada.

Deve ser utilizada a naloxona para controlar a depressão respiratória, tendo em conta que pode ser necessária administração de doses suplementares deste antagonista.


Outras medidas:

Se a depressão respiratória estiver associada a rigidez muscular, pode ser necessário administrar um relaxante muscular por via intravenosa.


Caso ainda tenha dúvidas sobre a utilização deste medicamento, fale com o seu médico.

4. Efeitos secundários possíveis



Como todos os medicamentos, este medicamento pode causar efeitos secundários, embora estes não se manifestem em todas as pessoas.


Caso ocorram efeitos indesejáveis, estes ocorrem principalmente durante a cirurgia e serão geridos pelo seu médico. Alguns podem também ocorrer logo após a cirurgia; assim, permanecerá sob vigilância médica após a cirurgia. Alguns exemplos incluem: diminuição anormal da respiração e/ou respiração fraca ou paragem respiratória temporária, espasmos nas vias respiratórias e laringe; soluços; batimentos cardíacos mais lentos, mais rápidos ou irregulares; diminuição ou aumento da pressão arterial sanguínea, rigidez muscular ou movimentos musculares involuntários, incluindo movimentos lentos, rígidos ou bruscos.

Podem ainda ocorrer tonturas, náuseas e vómitos.


Outros exemplos de efeitos indesejáveis que podem ocorrer, incluem: paragem cardíaca ou respiratória; arrepios; cansaço; febre; dor de cabeça.

Sonolência; ausência de resposta a estímulos; perda de consciência; convulsões. Agitação; choro; desorientação; sensação de bem-estar ou exaltação; sedação. Hemorragia nasal; tosse; excesso de dióxido de carbono no sangue.

Perturbações visuais; pupilas diminuídas.

Dermatite alérgica; comichão; sudação excessiva; pele avermelhada; erupção da pele. Podem ainda ocorrer outras complicações associadas ao procedimento como agitação pós-operatória ou confusão; complicações das vias aéreas ou neurológicas associadas à anestesia ou complicações da entubação endotraqueal. Poderá ainda sentir dor, incluindo no local da injeção, dor nevosa ou dor associada ao procedimento.


Reações alérgicas acontecem raramente e podem ser reconhecidas, por exemplo por erupção cutânea, comichão, depressão respiratória ou face inchada.


Efeitos secundários em recém-nascidos, crianças e adolescentes

A frequência e tipo de efeitos secundários em crianças e adolescentes são semelhantes aos descritos acima. A rigidez e os espasmos musculares podem ocorrer mais frequentemente em recém-nascidos do que em pessoas mais velhas após a administração de Rapifen.


Comunicação de efeitos secundários

Se tiver quaisquer efeitos secundários, incluindo possíveis efeitos secundários não indicados neste folheto, fale com o seu médico, farmacêutico ou enfermeiro.

Também poderá comunicar efeitos secundários diretamente ao INFARMED, I.P. através dos contactos abaixo. Ao comunicar efeitos secundários, estará a ajudar a fornecer mais informações sobre a segurança deste medicamento.


INFARMED, I.P.

Direção de Gestão do Risco de Medicamentos

Parque da Saúde de Lisboa, Av. Brasil 53

1749-004 Lisboa

Tel: +351 21 798 71 40

Fax: +351 21 798 73 97

Sítio da internet: http://extranet.infarmed.pt/page.seram.frontoffice.seramhomepage

E-mail: farmacovigilancia@infarmed.pt

5. Como conservar Rapifen



Rapifen não necessita de quaisquer precauções especiais de conservação.


Manter fora da vista e do alcance das crianças.


Não utilize este medicamento após o prazo de validade impresso na embalagem exterior.


Não deite fora quaisquer medicamentos da canalização ou no lixo doméstico. Pergunte ao seu farmacêutico como deitar fora os medicamentos que já não utiliza. Estas medidas ajudarão a proteger o ambiente.

6. Conteúdo da embalagem e outras informações



Qual a composição de Rapifen

- A substância ativa é o cloridrato de alfentanilo


- Os outros componentes são cloreto de sódio e água para preparações injetáveis.


Qual o aspeto de Rapifen e conteúdo da embalagem

Rapifen apresenta-se sob a forma de solução injetável límpida, incolor, ausente de partículas estranhas.

Cada ml de solução contém 0,5 mg de alfentanilo.

A solução injetável é acondicionada em ampolas de vidro branco transparente tipo I de 2 ml e 10 ml.

Cada embalagem contém de 5 ampolas.


Titular da Autorização de Introdução no Mercado e Fabricante


Titular da Autorização de Introdução no Mercado

Janssen Farmacêutica Portugal, Lda.

Estrada Consiglieri Pedroso, 69 A

Queluz de Baixo

2734-503 Barcarena

Tel.: 21 436 88 35 / 36 / 37

Fax: 21 435 74 79


Fabricante

GlaxoSmithKline Manufacturing S.p.A.

Strada Provinciale Asolana N. 90 (loc San Polo)

43056 Torrile (PR)

Itália

7. Informação para Profissionais de Saúde



A informação que se segue destina-se apenas aos médicos e aos profissionais dos cuidados de saúde:


POSOLOGIA

A posologia de Rapifen deve ser individualizada de acordo com a idade, peso, estado físico, patologia do doente, uso de outros medicamentos, tipo de anestesia e intervenção cirúrgica.


A dose inicial de Rapifen deverá ser reduzida de maneira adequada nos doentes idosos e debilitados, e deverá aumentar-se quando administrar o fármaco a crianças. O efeito da dose inicial deverá ser considerado na determinação de doses suplementares.


A fim de evitar o aparecimento de bradicardia, recomenda-se a administração de pequenas doses de um anticolinérgico antes da indução. Pode-se administrar o droperidol a fim de prevenir o aparecimento de náuseas e vómitos.


1. Para uso em indução anestésica

Rapifen num bólus intravenoso >120 micrograma/kg (17 ml/70 kg) induz hipnose e analgesia enquanto mantém uma boa estabilidade cardiovascular, em doentes com adequado relaxamento muscular.


2. Para intervenções de curta duração e utilização em doentes ambulatórios Rapifen administrado em pequenas doses é utilizado sobretudo em pequenas

intervenções de curta duração mas dolorosas, bem como em doentes em ambulatórios

desde que haja equipamento de monitorização na sala de operações.


Uma dose única de 7 a 15 micrograma/kg (1 a 2 ml/70 kg) administrada por via intravenosa é suficiente para intervenções com a duração inferior a 10 minutos. Se a duração da intervenção exceder 10 minutos dever-se-ão administrar doses suplementares de 7-15 micrograma/kg (1-2 ml/70 kg) cada 10-15 minutos ou segundo as necessidades.


A respiração espontânea poderá manter-se na maioria dos casos, quando se injeta lentamente uma dose igual ou inferior a 7 micrograma/kg (1 ml). Sugere-se que as doses suplementares, administradas por esta técnica, sejam de 3,5 micrograma/kg (0,5 ml/770 kg).


É preferível, não administrar droperidol ou benzodiazepinas a doentes em ambulatório porque estes medicamentos podem prolongar o período de recobro. Em doentes em ambulatório o melhor método consiste em administrar a associação de um anticolinérgico, um hipnótico de indução de ação rápida, Rapifen e N2O/O2.


Quando se observam náuseas no pós-operatório, estas são de duração relativamente curta e facilmente controladas com as medidas habituais.


3. Para intervenções de duração média

A dose inicial de bólus intravenoso deve ser adaptada à duração previsível da intervenção cirúrgica, de acordo com o esquema seguinte:



RAPIFEN



Quando a intervenção cirúrgica é mais prolongada ou mais agressiva a analgesia pode ser mantida com:


• doses suplementares de 15 micrograma/kg (2 ml/70 kg) de Rapifen quando necessário (para evitar depressão respiratória no pós-operatório, não deverá ser administrado Rapifen nos últimos 10 min da cirurgia).


• ou Rapifen em perfusão a 1 micrograma/kg/min (0,14 ml/70 kg/min) até 5 a 10 min antes do final da cirurgia.


Períodos de estímulos muito dolorosos podem facilmente ser ultrapassados com

pequenos suplementos de Rapifen ou aumentando temporariamente a velocidade de perfusão.


Quando Rapifen é usado sem N2O/O2 ou outros agentes anestésicos de inalação, é necessário aumentar a dose de manutenção de Rapifen.


4. Para intervenções de longa duração

Rapifen pode ser usado como componente analgésico da anestesia em intervenções cirúrgicas de longa duração especialmente quando está indicada uma rápida extubação. Consegue-se uma analgesia e estabilidade autonómica ótima através de adaptação individual da dose intravenosa inicial e variando a velocidade da perfusão de acordo com os estímulos cirúrgicos e as reações clínicas dos doentes.


INSTRUÇÕES DE MANIPULAÇÃO


Se necessário, pode misturar-se o Rapifen com cloreto de sódio ou glucose para perfusões intravenosas. Estas diluições são compatíveis com material em plástico usado para as perfusões. Estas misturas devem-se administrar num período de 24 horas, após a sua preparação.


Instruções para abrir as ampolas OPC (One-Point-Cut)



RAPIFEN


Copyright 2020 Tupam Editores SA ## 146