Similares Químicos

Produtos com a mesma molécula e do mesmo Grupo Terapêutico

Similares Terapêuticos

Produtos do mesmo Grupo Terapêutico

Vacina inactivada contra a raiva

DCI com Advertência na Gravidez DCI com Advertência no Aleitamento
O que é
A raiva é uma doença grave causada por um vírus.

A raiva é principalmente uma doença de animais.

Os seres humanos contraem a raiva quando são mordidos por um animal infetado.

Não pode haver nenhum sintoma no início, mas semanas ou mesmo anos após uma mordida de um animal infetado, a raiva pode causar dor, fadiga, dores de cabeça, irritabilidade, febre, convulsões, alucinações e paralisia.

A raiva pode ser fatal.
Usos comuns
A indução de uma imunidade ativa contra o vírus da raiva, ou antes ou depois da exposição ao vírus.
Tipo
Sem informação.
Indicações
Profilaxia pré-exposição (antes de eventual risco de exposição ao agente da raiva); Profilaxia pós-exposição (após conhecida ou possível exposição ao agente da raiva).
Classificação CFT

18.01 : Vacinas (simples e conjugadas)

Mecanismo de ação
Profilaxia Pré-exposição
Em ensaios clínicos com indivíduos não imunizados previamente, quase todos os indivíduos atingiram um título de anticorpos protetor (≥0,5 UI/ml) ao dia 28 de uma série primária de três injeções da vacina quando dadas de acordo com o calendário por via intramuscular.

À medida que os títulos em anticorpos descem lentamente, são necessárias doses de reforço para manter os níveis de anticorpos acima de 0,5 UI/ml.

No entanto, verificou-se que a persistência de títulos em anticorpos protetores durante 2 anos após a imunização com a vacina sem um reforço adicional foi de 100% em ensaios clínicos.

Em ensaios clínicos, uma dose de reforço da vacina originou um aumento de 10 vezes ou mais nos Títulos de Média Geométrica (GMTs) ao dia 30.

Também foi demonstrado que os indivíduos que tinham sido imunizados previamente com Vacina de Células Diploides Humanas (HDCV) desenvolveram uma resposta anamnéstica rápida quando reforçados com a vacina.

A persistência de títulos em anticorpos foi mostrada durante 14 anos num número limitado (n = 28) de indivíduos testados.

Não obstante, a necessidade e o tempo para o reforço devem ser avaliados caso a caso, tendo em conta as orientações oficiais.

Profilaxia Pós-exposição
Em estudos clínicos, a vacina originou anticorpos neutralizantes (≥0,5 UI/ml) em 98% dos doentes em 14 dias e em 99 – 100% dos doentes ao dia 28 – 38, quando administrada de acordo com o calendário recomendado pela OMS de cinco injeções intramusculares de 1 ml, cada nos dias 0, 3, 7, 14 e 28.

A administração concomitante de Imunoglobulina Humana para a Raiva (HRIG) ou Imunoglobulina Equina para a Raiva (ERIG) com a primeira dose da vacina contra a raiva causou uma ligeira diminuição nos GMTs.

No entanto, tal não foi considerado clinicamente relevante.
Posologia orientativa
A dose recomendada para a imunização primária e de reforço é de 1,0ml.
Administração
A vacina deve ser dada através de injeção intramuscular no músculo deltoide, ou na região anterolateral da coxa em crianças pequenas.

Não deve ser dada através de injeção intra-glútea.

Não administrar através de injeção intravascular.
Contraindicações
As contraindicações usuais para todas as vacinas: em caso de febre, doença aguda ou doença crónica progressiva, é preferível adiar a vacinação.

Profilaxia pós-exposição
Não existem contraindicações para a vacinação quando está indicada a profilaxia pós-exposição.

No entanto, os indivíduos considerados em risco de uma reação de hipersensibilidade grave devem receber uma vacina alternativa contra a raiva se estiver disponível um produto adequado.

Profilaxia pré-exposição
Não deve ser administrada a indivíduos com antecedentes de uma reação de hipersensibilidade grave a qualquer dos componentes da vacina.

De notar que a vacina contém poligelina e resíduos de proteínas da galinha e pode conter vestígios de neomicina, clortetraciclina e anfotericina B.

A vacinação deve ser atrasada em indivíduos que sofram de uma doença febril aguda.

Infeções menores não constituem uma contraindicação para a vacinação.
Efeitos indesejáveis/adversos
As reações alérgicas graves são muito raras após a administração da vacina.

Estas reações podem incluir:
- dificuldade respiratória
- coloração azul da língua ou dos lábios,
- edema da face e do pescoço ou de outro local
- tensão arterial baixa provocando colapso e choque.

Quando estes sinais ou sintomas ocorrem, desenvolvem-se habitualmente muito rapidamente após a administração da injeção e enquanto você/o seu filho ainda estiver na clínica ou no consultório médico.

Se algum destes sintomas ocorrer após ter saído da clínica ou do consultório médico, deve consultar um médico IMEDIATAMENTE.

Muito frequentes: podem ocorrer dor, inchaço e outras reações no local da injeção.

Frequentes: vermelhidão no local da injeção, fraqueza, sensação geral de mal-estar, febre, arrepios, cansaço, doença do tipo gripal, glândulas inchadas, dor de cabeça, dor muscular, dor nas articulações e transtornos digestivos tais como sentir-se enjoado, erupção cutânea que pode ser vermelha, rugosa e com comichão.

Pouco frequentes: Tonturas
Raros: distúrbios na circulação sanguínea (que pode provocar sintomas como palpitações ou afrontamentos), problemas de visão ou picadas ou sensação de formigueiro.

Muito raros: instabilidade com tonturas, distúrbios nervosos que podem causar fraqueza, incapacidade de se movimentar ou perda de sensação em algumas partes do corpo, sintomas do tipo doença do soro (febre, vermelhidão geral, dor nas articulações, edema dos nódulos linfáticos 6 a 14 dias após a injeção).
Precauções gerais
Tal como com todas as vacinas, deve estar imediatamente disponível o tratamento médico apropriado para utilização no caso raro de ocorrência de uma reação anafilática à vacina.

Uma história de alergia a ovos ou um teste cutâneo positivo à ovalbumina não indica necessariamente que um indivíduo irá ser alérgico a esta vacina.

No entanto, os indivíduos que tenham antecedentes de uma reação de hipersensibilidade grave a ovos ou a produtos derivados do ovo não devem receber a vacina para profilaxia pré-exposição.

Estes indivíduos não devem receber a vacina para tratamento pós-exposição a não ser que não esteja disponível uma vacina alternativa adequada, em cujo caso todas as injeções devem ser administradas sob monitorização rigorosa e com condições para fazer um tratamento de emergência.

Da mesma forma, os indivíduos com história de uma reação de hipersensibilidade grave a qualquer dos outros componentes da vacina tais como a poligelina (estabilizante), ou à anfotericina B, clortetraciclina ou neomicina (que podem estar presentes como vestígios de resíduos) não devem receber a vacina para profilaxia pré-exposição.

A vacina não deve ser dada a estes indivíduos para tratamento pós-exposição a não ser que não esteja disponível uma vacina alternativa adequada, em cujo caso devem ser tomadas as precauções mencionadas anteriormente.

Não administrar através de injeção intravascular.

Se a vacina for inadvertidamente administrada num vaso sanguíneo existe um risco de ocorrência de reações adversas graves, incluindo choque.

Após contato com animais que se suspeitem serem portadores do vírus da raiva, é essencial que se observem os seguintes procedimentos (de acordo com a OMS 1997):

Tratamento imediato das feridas
De modo a remover o vírus da raiva, limpar a ferida imediatamente com sabão e lavar abundantemente com água.

Depois tratar com álcool (70%) ou solução de iodo.

Quando possível, as lesões por mordeduras não devem ser fechadas com uma sutura, ou devem apenas ser suturadas para assegurar a justaposição.

A profilaxia contra o tétano deve ser implementada quando necessário.

Nos casos em que é indicada a imunização passiva, deve ser administrada tanto da dose recomendada de imunoglobulina humana para a raiva (HRIG) quanto o anatomicamente possível e tão profundamente quanto possível na ferida e à volta da mesma.

Qualquer HRIG remanescente deve ser injetada intramuscularmente numa área distante do local da vacinação, preferencialmente intraglutealmente.
Cuidados com a dieta
Não aplicável.
Resposta à overdose
Procurar atendimento médico de emergência, ou ligue para o Centro de intoxicações.

Não são conhecidos sintomas de sobredosagem.
Terapêutica interrompida
Contacte o médico se não fizer uma dose de reforço.
Certifique-se que completa o esquema de vacinação.
Caso contrário poderá não ficar completamente protegida contra as doenças.
Cuidados no armazenamento
Conservar no frigorífico (2°C – 8°C).
Não congelar.
Espectro de susceptibilidade e tolerância bacteriológica
Sem informação.
Usar com precaução

Vacina inactivada contra a raiva + Imunoglobulinas

Observações: N.D.
Interações: A administração de imunoglobulina para a raiva pode ser necessária para o controlo mas esta pode atenuar os efeitos da vacina para a raiva administrada concomitantemente. Como tal, é importante que a imunoglobulina para a raiva seja administrada uma vez apenas para tratar cada exposição a risco e com adesão à dose recomendada. - Imunoglobulinas
Usar com precaução

Vacina inactivada contra a raiva + Imunossupressores

Observações: N.D.
Interações: Doentes imunocomprometidos, incluindo aqueles que estão a receber terapêutica imunossupressora, podem não alcançar uma resposta adequada à vacina contra a raiva. Como tal, é recomendado que as respostas serológicas sejam monitorizadas nestes doentes e que sejam dadas doses adicionais se necessário. - Imunossupressores
Sem efeito descrito

Vacina inactivada contra a raiva + Vacinas inativadas

Observações: N.D.
Interações: Outras vacinas inactivadas essenciais podem ser dadas ao mesmo tempo que Vacina inactivada contra a raiva. Vacinas inactivadas injectáveis diferentes devem ser administradas em locais de injecção separados. - Vacinas inativadas
Sem efeito descrito

Vacina contra a encefalite japonesa + Vacina inactivada contra a raiva

Observações: Não foram realizados estudos de interação em crianças e adolescentes.
Interações: A administração concomitante de Vacina contra a encefalite japonesa com a vacina inativada da hepatite A e com a vacina inativada antirrábica nos dois esquemas de vacinação foi avaliada em estudos clínicos. Não se observou qualquer interferência com a resposta imunitária às vacinas do vírus da encefalite japonesa (VEJ) ou às vacinas do vírus da hepatite A ou antirrábica. Os perfis de segurança de Vacina contra a encefalite japonesa e outras vacinas estudadas não ficaram comprometidos quando estas foram administradas de forma concomitante. - Vacina inactivada contra a raiva
Identificação dos símbolos utilizados na descrição das Interações da Vacina inactivada contra a raiva
Informação revista e atualizada pela equipa técnica do INDICE.EU em: 18 de Setembro de 2020