Similares Químicos

Produtos com a mesma molécula e do mesmo Grupo Terapêutico

Similares Terapêuticos

Produtos do mesmo Grupo Terapêutico

Paricalcitol

DCI com Advertência na Gravidez DCI com Advertência no Aleitamento DCI com Advertência na Condução
O que é
Paricalcitol é um análogo da vitamina D sintética.
Paricalcitol foi utilizada para reduzir os níveis da hormona paratiróide.
Paricalcitol é indicada para a prevenção e tratamento de hiperparatiroidismo secundário associado com insuficiência renal crónica.
Usos comuns
Paricalcitol é usado para tratar e prevenir hiperparatireoidismo em pacientes com doença renal crónica e que se encontram em diálise.

O hiperparatireoidismo é uma condição que é causada quando as glândulas paratireóides localizadas no pescoço produzir muita hormona da paratireóide (PTH).

Este hormona controla as concentrações de cálcio e fósforo no sangue.

Paricalcitol ajuda a reduzir a quantidade de PTH, que reduz o cálcio e o fósforo concentrado.
Tipo
Molécula pequena.
Indicações
Paricalcitol é indicado na prevenção e tratamento do hiperparatiroidismo secundário em doentes com insuficiência renal crónica, submetidos a hemodiálise.
Classificação CFT

09.06.04 : Hormonas e análogos

Mecanismo de ação
O paricalcitol é um análogo sintético do calcitriol, uma Vitamina D biologicamente activa, com modificações na cadeia lateral (D2) e no anel A (19-nor) que permite activação selectiva do receptor da vitamina D (VDR).

O paricalcitol controla selectivamente o VDR na glândula paratiróideia sem aumentar o VDR no intestino e é menos activo na reabsorção óssea.

O paricalcitol também controla o receptor de sensibilização ao cálcio (CaSR) na glândula paratiróideia.

Como consequência, o paricalcitol reduz os níveis da hormona paratiróideia (PTH) inibindo a proliferação paratiróideia e diminuindo a síntese e a secreção da PTH, com um impacto mínimo nos níveis de cálcio e fósforo e pode actuar directamente nas células ósseas para manter o volume ósseo e melhorar a mineralização superficial.

A correção dos níveis anormais de PTH, com normalização da homeostase do cálcio e fósforo, pode evitar ou tratar a doença óssea metabólica associada à doença renal crónica.
Posologia orientativa
Intravenosa:
O médico usará os resultados dos testes laboratoriais para decidir qual a dose inicial correcta para si. Uma vez iniciado o tratamento com Paricalcitol, a dose pode ser ajustada com base nos resultados das análises de rotina. Usando os resultados das análises, o seu médico determinará qual a dose adequada de Paricalcitol para si.
Paricalcitol é administrado por um médico ou enfermeira enquanto está a fazer a hemodiálise.

Oral:
Doença renal crónica, Estadios 3 e 4:
A dose habitual é uma cápsula diária ou em dias alternados, até três vezes por semana.

Doença renal crónica, Estadio 5:
A dose habitual é uma cápsula, em dias alternados, até três vezes por semana.

Doença hepática:
Se sofrer de doença hepática ligeira a moderada, não será necessário ajustar a sua dose. No entanto, não existe experiência em doentes com doença hepática grave.
Administração
Vias oral, IV.

É administrado através de um tubo (via de acesso) que é usada para ligá-lo à máquina.

Paricalcitol será administrado via intravenosa (na veia através de uma agulha), por um médico, enquanto está a fazer hemodiálise.

Paricalcitol não será administrado mais frequentemente do que em dias alternados.
Contraindicações
Hipersensibilidade ao Paricalcitol.
Toxicidade pela Vitamina D.
Hipercalcemia.
Efeitos indesejáveis/adversos
Foram observadas várias reacções alérgicas com Paricalcitol.
Importante: Se observar algum dos efeitos secundários seguintes informe o médico ou enfermeiro imediatamente:
• Falta de ar,
• Dificuldade em respirar ou engolir,
• Pieira,
• Erupção cutânea, comichão na pele ou urticária,
• Inchaço da face, lábios, boca, língua ou garganta.

Informe o médico ou enfermeiro se observar algum dos seguintes efeitos secundários:

Frequentes (pelo menos 1 em 100 utilizadores):
• Dor de cabeça,
• Sabor desagradável na boca,
• Comichão na pele,
• Níveis baixos de hormona paratiróideia,
• Níveis elevados de cálcio (má disposição ou náuseas, prisão de ventre ou confusão); fósforo no sangue (provavelmente sem sintomas mas que pode fazer com que os ossos quebrem mais facilmente).

Pouco frequentes (pelo menos 1 em 1000 utilizadores):
• reacções alérgicas (como por exemplo falta de ar, pieira, erupção cutânea, comichão ou inchaço da face e lábios); borbulhas com comichão;
• infecção no sangue; diminuição no número de glóbulos vermelhos (anemia – sensação de fraqueza, falta de ar, palidez); diminuição do número de glóbulos brancos (mais fácil apanhar infecções); aumento das glândulas no pescoço, axila e/ou virilha; tempo de hemorragia aumentado (o sangue não coagula tão rapidamente);
• Ataque cardíaco, acidente vascular cerebral; batimento cardíaco irregular/rápido; pressão arterial baixa; pressão arterial alta;
• Coma (estado profundo de inconsciência durante o qual a pessoa não responde ao ambiente);
• Cansaço anormal, fraqueza; tonturas, desmaio;
• Dor no local da injecção;
• Pneumonia (infecção pulmonar); líquido nos pulmões; asma (pieira, tosse, dificuldade respiratória);
• Inflamação na garganta; frio; febre; sintomas gripais; olhos vermelhos (comichão/irritação nas pálpebras); pressão aumentada no olho; dor de ouvidos; hemorragia nasal;
• contrações nervosas; confusão que por vezes é grave (delírio); agitação (agitado, ansioso); nervosismo; problemas de personalidade (não se sentir em si);
• Formigueiro ou torpor; diminuição da sensação do tacto; problemas de sono; transpiração nocturna; espasmos musculares nos braços e pernas, mesmo durante o sono;
• Boca seca; sede; enjoos; dificuldade em engolir; vómitos; perda de apetite; perda de peso; azia; diarreia e dor de estômago; prisão de ventre; hemorragia no recto;
• Dificuldade em ter uma erecção; cancro da mama; infecções na vagina;
• Dor mamária; dor lombar; dor nas articulações/músculos; sensação de peso causada por edema generalizado ou edema localizado nos tornozelos, pés e pernas (inchaço); andar anormal;
• Queda de cabelo; crescimento excessivo de pêlos;
• Aumento de uma enzima hepática; níveis elevados de hormona paratiróideia; níveis elevados de potássio no sangue; níveis baixos de cálcio no sangue.

Frequência desconhecida:
Edema da face, lábios, boca, língua ou garganta que podem causar dificuldades em engolir ou respirar; comichão na pele (urticária), hemorragia no estômago. Procurar ajuda médica de imediato.
Advertências
Gravidez
Gravidez:
Gravidez:Evitar, de acordo com o produtor; toxicidade em estudos animais. Ver Vitamina D. Risco fetal desconhecido, por falta de estudos alargados.
Aleitamento
Aleitamento:
Aleitamento:Deve ser tomada uma decisão sobre continuar/suspender a amamentação ou continuar/suspender o tratamento com paricalcitol tendo em consideração o benefício da amamentação para a criança e o benefício do tratamento com paricalcitol para a mulher.
Condução
Condução:
Condução:Enquanto estiver a receber tratamento com Paricalcitol, a sua capacidade de condução com segurança pode estar afectada.
Precauções gerais
A supressão excessiva da hormona paratiróideia pode resultar em aumento nos níveis séricos de cálcio e pode originar doença metabólica óssea.

É necessária a monitorização do doente e titulação individual da dose para que sejam atingidos os resultados fisiológicos apropriados.

Caso se desenvolva hipercalcemia clinicamente importante e o doente esteja a receber um ligante de fosfato à base de cálcio, a dose deste deve ser reduzida ou interrompida.

A hipercalcemia crónica pode estar associada a calcificação vascular generalizada e outras calcificações nos tecidos moles.

A toxicidade por digitálicos é potenciada pela hipercalcemia de qualquer causa, pelo que deverá usar-se de precaução quando se administrarem digitálicos concomitantemente com paricalcitol.

É necessária precaução ao administrar paricalcitol concomitantemente com cetoconazol.

Deve ser tido em consideração quando da sua administração mulheres grávidas ou a amamentar, crianças e grupos de elevado risco, como por exemplo nos doentes com doença hepática ou epilepsia.

Alguns medicamentos podem afectar a acção de Paricalcitol ou maior possibilidade de efeitos secundários. É particularmente importante informar o seu médico se estiver a utilizar algum dos seguintes medicamentos:
- para tratar infecções por fungos, como por exemplo cândida ou aftas (por ex. cetoconazol).
- para tratar o coração ou pressão arterial (por ex. digoxina e diuréticos).
- que contêm magnésio (por ex. alguns tipos de medicamentos para a indigestão chamados anti-ácidos, como o trisilicato de magnésio).
- que contenham alumínio (por ex. quelantes de fósforo, como o hidróxido de alumínio).
Cuidados com a dieta
Paricalcitol pode ser utilizado antes, depois e durante as refeições.

Para obter maiores benefícios do tratamento e evitar efeitos adversos graves é muito importante seguir a dieta recomendada pelo médico.
Resposta à overdose
Procurar atendimento médico de emergência, ou ligue para o Centro de intoxicações.

Não foi descrito nenhum caso de sobredosagem.

A sobredosagem de paricalcitol pode levar a hipercalcemia.

Em caso de sobredosagem, os sinais e sintomas de hipercalcemia (níveis séricos de cálcio) devem ser monitorizados e notificados a um médico.

O tratamento deve ser iniciado como adequado.

O paricalcitol não é significativamente removido por diálise.

O tratamento de doentes com hipercalcemia clinicamente importante consiste na redução imediata da dose ou da interrupção do tratamento com paricalcitol e inclui uma dieta pobre em cálcio, suspensão dos suplementos de cálcio, mobilização do doente, atenção aos desequilíbrios nos fluídos e electrólitos, avaliação das anomalias electrocardiográficas (crítica nos doentes tratados com digitálicos) e hemodiálise ou diálise peritoneal contra um dialisado isento de cálcio, se justificado.
Terapêutica interrompida
Via Intravenosa: O médico ou enfermeiro têm instruções de quando lhe administrar este medicamento. Não é provável que Paricalcitol não lhe seja administrado conforme prescrito. No entanto, se pensa que não lhe foi administrada uma dose, fale com o médico ou enfermeiro.

Via Oral: Se esqueceu de tomar uma dose, tome-a logo que se lembre. No entanto, se estiver quase na hora de tomar a próxima dose, não tome a dose que se esqueceu de tomar; simplesmente continue a tomar paricalcitol como lhe foi recomendado anteriormente (dose e hora) pelo médico.
Cuidados no armazenamento
O medicamento não necessita de quaisquer precauções especiais de conservação.
Paricalcitol deve ser usado imediatamente após abertura.

Mantenha todos os medicamentos fora do alcance de crianças e animais de estimação.

Não deite fora quaisquer medicamentos na canalização ou no lixo doméstico. Pergunte ao seu médico, enfermeiro ou farmacêutico como deitar fora os medicamentos que já não utiliza. Estas medidas ajudarão a proteger o ambiente.
Espectro de susceptibilidade e tolerância bacteriológica
Sem informação.
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Paricalcitol + Cálcio

Observações: N.D.
Interacções: Doses elevadas de preparações contendo cálcio ou diuréticos tiazídicos podem aumentar o risco de hipercalcemia. - Cálcio
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Paricalcitol + Diuréticos tiazídicos (Tiazidas)

Observações: N.D.
Interacções: Doses elevadas de preparações contendo cálcio ou diuréticos tiazídicos podem aumentar o risco de hipercalcemia. - Diuréticos tiazídicos (Tiazidas)
Não recomendado/Evitar

Paricalcitol + Alumínio

Observações: N.D.
Interacções: Preparações contendo alumínio (por ex. antiácidos, aglutinantes de fosfato) não devem ser administradas cronicamente com medicamentos de Vitamina D, dado que podem verificar-se níveis sanguíneos aumentados de alumínio e toxicidade óssea pelo alumínio. - Alumínio
Não recomendado/Evitar

Paricalcitol + Antiácidos

Observações: N.D.
Interacções: Preparações contendo alumínio (por ex. antiácidos, aglutinantes de fosfato) não devem ser administradas cronicamente com medicamentos de Vitamina D, dado que podem verificar-se níveis sanguíneos aumentados de alumínio e toxicidade óssea pelo alumínio. As preparações contendo magnésio (por ex. antiácidos) não devem ser tomadas concomitantemente com preparações de Vitamina D, dado que pode ocorrer hipermagnesemia. - Antiácidos
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Paricalcitol + Vitaminas D

Observações: N.D.
Interacções: Não foram realizados estudos de interacção com paricalcitol solução injetável. No entanto, foi realizado um estudo de interacção entre cetoconazol e paricalcitol com a formulação em cápsulas. Fosfatos ou medicamentos relacionados com a Vitamina D não devem ser administrados concomitantemente com paricalcitol devido ao risco aumentado de hipercalcemia e aumento do produto Ca x P. - Vitaminas D
Não recomendado/Evitar

Paricalcitol + Magnésio

Observações: N.D.
Interacções: As preparações contendo magnésio (por ex. antiácidos) não devem ser tomadas concomitantemente com preparações de Vitamina D, dado que pode ocorrer hipermagnesemia. - Magnésio
Usar com precaução

Paricalcitol + Cetoconazol

Observações: N.D.
Interacções: O cetoconazol é conhecido como sendo um inibidor não especifico de várias enzimas do citocromo P450. Os dados disponíveis in vivo e in vitro sugerem que o cetoconazol pode interagir com as enzimas que são responsáveis pelo metabolismo do paricalcitol e outros análogos da vitamina D. Deve ter-se precaução enquanto se administra paricalcitol com cetoconazol. O efeito da administração de doses múltiplas de cetoconazol de 200 mg, duas vezes ao dia (2xdia), durante 5 dias, na farmacocinética de paricalcitol cápsulas foi estudado em indivíduos saudáveis. A Cmax do paricalcitol foi minimamente afetada, mas a praticamente duplicou na presença de cetoconazol. A semivida média doAUC-∞ paricalcitol foi de 17,0 horas na presença do cetoconazol comparativamente a 9,8 horas, quando o paricalcitol foi administrado isolado. Os resultados deste estudo indicam que após a administração oral de paricalcitol a amplificação máxima da AUC-∞ do paricalcitol de uma interacção medicamentosa com cetoconazol é possível que não seja superior ao dobro. - Cetoconazol
Usar com precaução

Paricalcitol + Glicósideos digitálicos

Observações: N.D.
Interacções: A toxicidade por digitálicos é potenciada pela hipercalcemia de qualquer causa, pelo que a prescrição de digitálicos concomitantemente com paricalcitol, deverá ser feita com precaução. - Glicósideos digitálicos
Usar com precaução

Oxihidróxido sucroférrico + Paricalcitol

Observações: N.D.
Interacções: Este medicamento quase não é absorvido a partir do trato digestivo. Embora o potencial de interacções com medicamentos pareça ser baixo, para o tratamento concomitante com medicamentos com uma janela terapêutica estreita, o efeito clínico e os acontecimentos adversos devem ser monitorizados, no início ou durante o ajuste da dose, quer deste medicamento, quer do medicamento concomitante, ou o médico deve considerar a medição dos níveis sanguíneos. Ao administrar qualquer medicamento que se saiba interagir com ferro (como alendronato e doxiciclina) ou que tenha a potencialidade de interagir com este medicamento (baseado apenas em estudos in vitro, como: cefalexina, levotiroxina, doxercalciferol e paricalcitol), este medicamento deve ser tomado pelo menos uma hora antes ou duas horas depois deste medicamento. - Paricalcitol
Identificação dos símbolos utilizados na descrição das Interacções do Paricalcitol
Informação revista e atualizada pela equipa técnica do INDICE.EU em: 30 de Abril de 2021