Similares Químicos

Produtos com a mesma molécula e do mesmo Grupo Terapêutico

Similares Terapêuticos

Produtos do mesmo Grupo Terapêutico

Ciprofibrato

DCI com Advertência na Gravidez DCI com Advertência no Aleitamento DCI com Advertência na Insuficiência Renal DCI com Advertência na Condução
O que é
O Ciprofibrato é usado para o Aparelho Cardiovascular como Antidislipidémico.

O Ciprofibrato pertence a um grupo de medicamentos conhecido por "fibratos". Estes medicamentos são prescritos para baixar a quantidade de gordura (lípidos) no sangue, por exemplo, a gordura conhecida como triglicéridos.
Usos comuns
O Ciprofibrato pertence a um grupo de medicamentos habitualmente conhecidos como fibratos. Estes são utilizados para diminuir o nível de gorduras (lípidos) no sangue, por exemplo, as gorduras conhecidas por triglicéridos.

O Ciprofibrato é utilizado, juntamente com uma dieta com baixo teor de gorduras ou outro tratamento não médico, como o exercício físico e perda de peso, para diminuir os níveis de gordura no sangue.
Tipo
Molécula pequena.
Indicações
O Ciprofibrato é indicado como adjuvante da dieta ou outro tratamento não farmacológico (por exemplo, exercício físico, redução de peso) nas seguintes
situações:
Tratamento da hipertrigliceridemia grave, com ou sem níveis baixos de colesterol HDL.
Hiperlipidemia mista quando o uso de uma estatina é contra-indicado ou não é tolerada.
Classificação CFT

03.07 : Antidislipidémicos

Mecanismo de ação
O Ciprofibrato é um agente regulador dos lípidos, de largo espectro, que complementa eficazmente a dieta de modo a controlar o colesterol LDL e VLDL elevado, assim como os níveis de triglicéridos. O ciprofibrato também aumenta o nível de HDL do colesterol.

Há evidência de que o tratamento com fibratos pode reduzir acontecimentos relacionados com a doença cardíaca coronária, mas estes não demonstraram a redução da mortalidade por qualquer causa na prevenção primária ou secundária da doença cardiovascular.
Posologia orientativa
Adultos:
A dose recomendada é de 100 mg por dia. Esta dose não deve ser excedida.
Administração
O Ciprofibrato é usado apenas para administração oral.
Contraindicações
Contra-indicado na gravidez e aleitamento ou quando há suspeita de uma possível gravidez; Compromisso hepático grave; Compromisso renal grave; utilização concomitante com outro fibrato; Hipersensibilidade à substância activa.
Efeitos indesejáveis/adversos
Afecções dos tecidos cutâneos e subcutâneos:
Foram notificadas reacções cutâneas, principalmente alérgicas: exantema cutâneo, urticária e prurido e, muito raramente, fotossensibilidade. Assim como com outros fármacos desta classe, foi notificada uma baixa ocorrência de alopecia.

Afecções musculosqueléticas e dos tecidos conjuntivos:
Assim como com outros fibratos, foi notificada mialgia e miopatia, incluindo miosite e casos raros de rabdomiólise. Na maioria dos casos, a toxicidade muscular é reversível quando o tratamento é descontinuado.

Doenças do sistema nervoso:
Notificações ocasionais de cefaleias, vertigens. Foram apenas raramente notificadas tonturas e sonolência em associação com o Ciprofibrato. Assim como com outros fármacos desta classe, foi notificada uma baixa ocorrência de impotência.

Doenças gastrointestinais:
Houve notificações ocasionais de sintomas gastrointestinais incluindo náuseas, vómitos, diarreia, dispepsia e dor abdominal. Geralmente, estes efeitos indesejáveis foram de natureza ligeira a moderada e ocorreram no início do tratamento, tornando-se menos frequentes com a progressão do tratamento.

Afecções hepatobiliares:
Assim como com outros fibratos, observou-se ocasionalmente alteração dos testes da função hepática. Foram notificados casos muito raros de colestase ou de citólise.
Foram observados casos excepcionais de evolução crónica.

Não estão disponíveis dados para avaliar os efeitos indesejáveis associados à utilização a longo prazo e, mais especificamente, no que diz respeito ao risco de litíase biliar.

Doenças respiratórias, torácicas e do mediastino:
Foram notificados casos isolados de pneumonite ou de fibrose pulmonar.

Perturbações gerais e alterações no local de administração:
Muito raramente foi notificada fadiga em associação com o Ciprofibrato.

Doenças do sangue e do sistema linfático
Trombocitopenia – Frequência desconhecida.
Precauções gerais
Mialgia/miopatia:
Os Doentes devem ser aconselhados a informarem prontamente quaisquer sintomas de dor, dor à palpação ou fraqueza musculares. Em doentes que apresentem estes sintomas, os níveis de CPK devem ser avaliados imediatamente, em intervalos regulares, e deve descontinuar-se a terapêutica se ocorrerem sintomas de miopatia ou níveis de CPK acentuadamente elevados.

Os problemas musculares parecem estar relacionados com a dose, por isso a posologia diária de 100 mg não deverá ser excedida.

O compromisso da função renal e qualquer situação de hipoalbuminemia, tal como síndrome nefrótico, pode aumentar o risco de miopatia.

Tal como para outros fibratos, o risco de rabdomiólise e mioglobinúria pode aumentar se o Ciprofibrato for utilizado em associação com outros fibratos ou inibidores da HMG CoA redutase.

O risco de miopatia pode aumentar na presença dos seguintes factores de predisposição:
– Alteração da função renal e qualquer situação de hipoalbuminemia, tal como síndrome nefrótico
– Hipotiroidismo
– Alcoolismo
– Mais de 70 anos de idade
– Antecedentes pessoais ou familiares de distúrbios musculares hereditários
– Antecedentes de toxicidade muscular com outro fibrato.
Utilize com precaução em doentes com insuficiência hepática.

Recomenda-se uma avaliação periódica da função hepática. O tratamento com Ciprofibrato deve ser descontinuado no caso de se continuar a observar alterações significativas ao nível das transaminases ou se houver evidência de colestase hepática.

Um hipotiroidismo subjacente pode causar dislipidemia, pelo que deve ser diagnosticado e corrigido antes de se iniciar o tratamento. Para além disso, o hipotiroidismo é um factor de risco de miopatia.

Associação com anticoagulantes orais: a terapêutica concomitante com anticoagulantes orais deve ser administrada com doses reduzidas e ajustada de acordo com o INR.

Se, após vários meses de terapêutica, as concentrações séricas dos lípidos não estiverem satisfatoriamente controladas, devem ser consideradas medidas terapêuticas diferentes ou adicionais.

Advertências especiais
Os doentes com problemas hereditários raros de intolerância à galactose, intolerância à lactose ou má absorção de glucose-galactose não devem tomar este medicamento.
Cuidados com a dieta
Os problemas musculares são um dos efeitos secundários deste medicamento.
A ingestão de muito álcool pode aumentar a possibilidade de problemas musculares.
Isto significa que tem de limitar a quantidade de álcool que ingere enquanto estiver a tomar Ciprofibrato.
Resposta à overdose
Procurar atendimento médico de emergência, ou ligar para o Centro de Intoxicações.

Existem notificações raras de sobredosagem com Ciprofibrato, mas nestes casos não ocorreram acontecimentos adversos específicos da sobredosagem.
Não existem antídotos específicos para o Ciprofibrato.

O tratamento da sobredosagem deve ser sintomático. Se necessário, pode instituir-se uma lavagem gástrica e cuidados apropriados de suporte.
O Ciprofibrato não é dialisável.
Terapêutica interrompida
Caso se tenha esquecido de tomar uma dose, tome-a assim que se lembrar. Contudo, se for altura de tomar a dose seguinte, não tome a dose que foi esquecida.

Não tome uma dose a dobrar para compensar uma dose que se esqueceu de tomar.
Cuidados no armazenamento
Manter fora do alcance e da vista das crianças.

Os comprimidos de Ciprofibrato devem ser armazenados em local seco e à temperatura ambiente (abaixo de 25º C).
Espectro de susceptibilidade e tolerância bacteriológica
Sem informação.
Não recomendado/Evitar

Ciprofibrato + Inibidores da HMG-CoA redutase (Estatinas)

Observações: N.D.
Interacções: Associação não recomendada. Tal como com outros fibratos, o risco de rabdomiólise e de mioglobinúria poderá estar aumentado se o ciprofibrato for utilizado concomitantemente com inibidores da HMG CoA redutase. - Inibidores da HMG-CoA redutase (Estatinas)
Usar com precaução

Ciprofibrato + Anticoagulantes orais

Observações: N.D.
Interacções: Requer precaução. O ciprofibrato liga-se fortemente às proteínas plasmáticas, podendo deslocar outros fármacos dos locais de ligação às proteínas plasmáticas. O ciprofibrato tem mostrado potenciar o efeito da varfarina, indicando que a terapêutica anticoagulante oral concomitante deve ser administrada em doses reduzidas e ajustada de acordo com o INR. - Anticoagulantes orais
Usar com precaução

Ciprofibrato + Varfarina

Observações: N.D.
Interacções: Requer precaução. O ciprofibrato liga-se fortemente às proteínas plasmáticas, podendo deslocar outros fármacos dos locais de ligação às proteínas plasmáticas. O ciprofibrato tem mostrado potenciar o efeito da varfarina, indicando que a terapêutica anticoagulante oral concomitante deve ser administrada em doses reduzidas e ajustada de acordo com o INR. - Varfarina
Sem significado Clínico

Ciprofibrato + Hipoglicemiantes

Observações: N.D.
Interacções: Apesar do ciprofibrato poder potenciar o efeito dos hipoglicemiantes orais, os dados disponíveis não sugerem que tal interacção cause problemas clinicamente significativos. - Hipoglicemiantes
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Ciprofibrato + Estrogénios

Observações: N.D.
Interacções: Os estrogénios podem aumentar os níveis lipídicos. Embora tenha sido sugerida uma interacção farmacodinâmica, não estão atualmente disponíveis quaisquer dados clínicos. - Estrogénios
Contraindicado

Ciprofibrato + Fibratos

Observações: N.D.
Interacções: Associação contra-indicada. Tal como com outros fibratos, o risco de rabdomiólise e de mioglobinúria poderá estar aumentado se o ciprofibrato for utilizado em associação com outros fibratos. - Fibratos
Identificação dos símbolos utilizados na descrição das Interacções do Ciprofibrato
Informação revista e atualizada pela equipa técnica do INDICE.EU em: 30 de Abril de 2021