Similares Químicos

Produtos com a mesma molécula e do mesmo Grupo Terapêutico

Similares Terapêuticos

Produtos do mesmo Grupo Terapêutico

Xipamida

DCI com Advertência na Gravidez DCI com Advertência no Aleitamento DCI com Advertência na Insuficiência Hepática DCI com Advertência na Insuficiência Renal DCI com Advertência na Condução
O que é
Xipamida é um fármaco utilizado pela medicina como diurético e anti-hipertensivo.
Devido ao seu mecanismo de acção atípico, a xipamida pode ser considerada um fármaco intermediário entre os diuréticos tiazídicos e aqueles de alta potência.
Usos comuns
Tratamento da hipertensão e edema cardíaco.
Tipo
Molécula pequena.
Indicações
Hipertensão:
Todos os graus de gravidade de hipertensão, administrado isoladamente ou em combinação com outras substâncias anti-hipertensivas.

Edema:
Edema cardíaco, renal, hepático e reumático.
Edema periférico resultante de insuficiência venosa.
Classificação CFT

03.04.01.01 : Tiazidas e análogos

Mecanismo de ação
A xipamida é um diurético que inibe a reabsorção de cloreto de sódio na parte proximal do túbulo distal e conduz primeiramente a cloruresis e natriuresis e secundariamente a um aumento do fluxo urinário devido a água osmoticamente ligada.
O aumento do fluxo na parte terminal do túbulo distal conduz a uma estimulação da secreção de potássio.
Além disso, há um aumento agudo do bicarbonato, cálcio e magnésio.
A xipamida atinge o seu local de ação do lado peritubular (sangue) de forma que o seu mecanismo de ação difere do das tiazidas apesar de a estrutura ser semelhante.
A xipamida não afeta a hemodinâmica renal ou taxa de filtração glomerular e é ativa mesmo na insuficiência renal terminal.
Posologia orientativa
Hipertensão:
A dose diária média é de 1 comprimido após o pequeno-almoço.
Em casos graves, a dose pode ser aumentada para 2 comprimidos e noutros casos pode ser reduzida para meio comprimido.

Edema:
O tratamento pode ser iniciado com 2 comprimidos diários após o pequeno-almoço, podendo ser reduzido para 1 comprimido diário conforme a reacção do doente.

No caso de insuficiência renal grave, a dose pode ser aumentada até 80 mg de xipamida por dia.

O aumento acima de 80 mg de xipamida por dia, não é recomendado.
Administração
Via oral.
Contraindicações
A xipamida não deve ser utilizada nas seguintes situações:
Insuficiência hepática grave
Hipersensibilidade à xipamida, outros derivados das sulfonamidas ou tiazidas.
Hipocalémia resistente à terapêutica.
Gota
Hiponatrémia grave
Hipovolémia
Hipercalcémia
Gravidez
Lactação
Efeitos indesejáveis/adversos
No caso de diurese excessiva, pode ocorrer hemoconcentração como resultado da hipovolémia bem como convulsões, sonolência, estado confusicional e colapso circulatório em casos raros.

Raramente podem ocorrer reacções anafilactóides
Uma diabetes mellitus latente pode tornar-se evidente. Em doentes com diabetes mellitus, os níveis de glucose podem ser aumentados.

Com altas doses o risco de tromboses e embolias pode aumentar, particularmente se existem alterações venosas prévias.

Doenças do sangue e do sistema linfático
Muito raros, incluindo casos isolados: Trombocitopénia, leucopénia, agranulocitose, anemia aplásica (descontinuar tratamento)

Doenças do metabolismo e da nutrição
Raros: Hiperlipidémia

Perturbações do foro psiquiátrico
Frequentes: Impulsão diminuída, letargia, ansiedade, agitação

Doenças do sistema nervoso
Frequentes: Cefaleias, tonturas, boca seca, fadiga, sudação

Afecções oculares
Raros: Alterações menores da visão, agravamento de miopia existente (descontinuar tratamento)

Cardiopatias
Frequentes: Palpitações

Vasculopatias
Frequentes: Hipotensão ortostática

Doenças gastrointestinais
Frequentes: Desconforto no abdómen superior, dor abdominal, diarreia, obstipação
Raros: Pancreatite hemorrágica (descontinuar o tratamento)

Afecções hepatobiliares
Raros: Colecistite aguda no caso de colelitíase pré existente (descontinuar o tratamento)
Muito raros, Incluindo casos isolados: Icterícia

Afecções dos tecidos cutâneos subcutâneos
Pouco frequentes: reacções de fotossensibilidade
Raros: reacções alérgicas cutâneas (prurido, eritema, urticária) (descontinuar o tratamento)

Afecções musculoesqueléticas e dos tecidos conjuntivos
Frequentes: Espasmos musculares /cãibras

Doenças renais e urinárias
Muito frequentes: Hipocalémia que pode manifestar-se com sintomas como náuseas, vómitos, alterações do ECG, aumento da sensibilidade aos glicosidos, arritmia ou hipotonia dos músculos esqueléticos.
Hipermagnesúria que apenas ocasionalmente se manifesta como hipomagnesémia uma vez que o magnésio é mobilizado dos ossos.

Frequentes: Distúrbios no equilíbrio electrolítico e da água, tais como desidratação, hiponatrémia, hipomagnesémia, alcalose hipoclorémica. Aumento reversível do azoto, substâncias excretadas pela urina (ureia, creatinina), particularmente no início do tratamento. Aumento dos níveis séricos de ácido úrico e ataques agudos de gota em doentes predispostos.

Muito raros, incluindo casos isolados: Nefrite aguda intersticial.
Precauções gerais
Em doentes com doenças hepáticas, a terapêutica com diuréticos tiazidas e substâncias aparentadas pode causar encefalopatia hepática.
Nesse caso, o tratamento com este medicamento deve ser descontinuado de imediato.

Foram notificados alguns casos de fotossensibilidade durante o tratamento com diuréticos tiazidas.
Se ocorrer uma reacção de fotossensibilidade durante o tratamento, este deve ser descontinuado.
Se a re administração do tratamento não puder ser evitada, a área da pele exposta à luz do sol ou a UVA artificial deve ser protegida.

No caso de abuso crónico de agentes diuréticos (abuso de diuréticos), pode ocorrer síndrome de Batter que conduz a acumulação de água no organismo (edema).
Esta acumulação de água (edema) é a expressão de um aumento da renina daí resultando hiperaldosteronismo secundário.

Precauções de utilização do medicamento:
Equilíbrio electrolítico e da água.

Níveis plasmáticos de sódio:
O nível plasmático de sódio deve ser controlado antes de iniciar a terapêutica e a intervalos regulares durante o tratamento.
Em princípio, pode ocorrer com qualquer diurético, hiponatrémia com complicações graves.
Uma vez que a diminuição do nível plasmático de sódio pode no início ser assintomático, é indispensável um controlo regular.
Doentes idosos e doentes com cirrose hepática devem ser cuidadosamente monitorizados.

Níveis de potássio:
Tal como com outros diuréticos, pode ocorrer hipocalémia durante a terapêutica prolongada com xipamida.
Os electrólitos séricos (em particular potássio, sódio, cálcio), bicarbonato, creatinina, ureia, ácido úrico e açúcar no sangue devem ser regularmente controlados.
A substituição do potássio pode ser necessária, particularmente em doentes idosos com insuficiente ingestão de potássio.
A descida dos níveis de potássio até uma situação de hipocalémia representa o principal risco do tratamento com diuréticos tiazidas e medicamentos aparentados.
A ocorrência de hipocalémia (níveis plasmáticos de potássio <3,4 mmol/l) deve ser evitada em particular no caso de uma perda grande de fluído (ex: devido a vómitos, diarreia ou sudação intensa) e em grupos de risco, isto é idosos e/ou doentes subnutridos e/ou doentes polimedicados, bem como doentes com cirrose hepática e formação de edemas ou ascite, doentes com doença coronária e com insuficiência cardíaca.
Neste grupo de doentes, a hipocalémia também aumenta a cardiotoxicidade dos glicosidos cardíacos e o risco de disritmía cardíaca.
A hipovolémia ou desidratação bem como alterações electrolíticas importantes ou distúrbios no equilíbrio ácido-base devem ser ajustados.
Isto pode exigir uma interrupção temporária do tratamento com xipamida.
Indivíduos com prolongamento do intervalo QT congénito ou iatrogénico adquirido constituem o grupo de maior risco.
A presença de hipocalémia e bradicárdia promovem a ocorrência de arritmia grave, em particular a possível “torsade de pointes” letal (taquicardia ventricular polimórfica).
Todas as situações acima mencionadas, exigem um controlo frequente dos níveis de potássio, iniciando-se o primeiro controlo durante a primeira semana após iniciar a terapêutica.
A hipocalémia deve ser ajustada.

Níveis plasmáticos de cálcio:
O tratamento com diuréticos tiazidas e fármacos aparentados pode causar uma diminuição da excreção do cálcio na urina e um aumento temporário dos níveis plasmáticos de cálcio.
Uma hipercalcémia manifesta pode provavelmente ocorrer devido a um hiperparatiroidismo prévio desconhecido.
Antes de um possível exame à função das paratiróides, a terapêutica deve ser descontinuada.

Níveis sanguíneos de açúcar:
Especialmente em doentes diabéticos com hipocalémia concomitante os níveis sanguíneos de açúcar devem ser cuidadosamente monitorizados.

Níveis de ácido úrico:
Doentes com hiperuricémia podem apresentar uma tendência em aumentar os episódios agudos de gota.

Função renal e diuréticos:
Os diuréticos tiazidas e substâncias aparentadas só são completamente eficazes numa função renal normal ou com uma ligeira insuficiência (níveis séricos de creatinina <25 mg/l ou <220 micromol/l em adultos).
Nos doentes idosos, este valor da creatinina deve ser ajustado conforme a idade, peso e sexo do doente.
A hipovolémia causada por perda de sódio e água relacionada com diuréticos no início do tratamento resulta numa diminuição da filtração glomérular.
Isto pode causar um aumento do azoto ureico no sangue (BUN) e creatinina sérica.
Esta insuficiência funcional renal temporária mantém-se sem consequências em indivíduos com a função renal normal, mas pode agravar uma insuficiência renal pré existente.
No caso de uma terapêutica resistente à descompensação do equilíbrio electrolítico, o tratamento deve ser descontinuado.
Cuidados com a dieta
Tomar após o pequeno-almoço.
Resposta à overdose
Procurar atendimento médico de emergência, ou ligue para o Centro de intoxicações.

O tratamento deve ser descontinuado no caso de:
Alterações no equilíbrio electrolítico resistente à terapêutica
Alterações da regulação ortostática
Reacções de hipersensibilidade
Queixas gastrointestinais distintas
Alterações no sistema nervoso
Pancreatite
Alterações nas contagens sanguíneas (anemia, leucopénia, trombocitopénia)
Colecistite aguda
Ocorrência de vasculite
Agravamento da existência de miopia
As intoxicações agudas expressam-se especialmente por distúrbios no equilíbrio electrolítico e dos fluidos (hiponatrémia, hipocalémia).

Podem ocorrer sintomas clínicos como náuseas, vómitos, quebra da pressão, convulsões, tonturas, sonolência, estados confusicionais, poliúria ou oligúria a anúria (devido a hipovolémia).

Procedimentos de emergência: desintoxicação por administração de carvão activado; subsequentemente restauração do equilíbrio electrolítico e da água em centros especializados.
Terapêutica interrompida
Deverá evitar o esquecimento.
Quando tal acontecer, deve recomeçar o tratamento logo que se lembrar e informar o seu médico do sucedido.
Não tome uma dose a dobrar para compensar uma dose que se esqueceu de tomar.
Cuidados no armazenamento
Conservar a temperatura inferior a 25ºC.
Guarde em local seco e fresco.

Mantenha todos os medicamentos fora do alcance de crianças e animais de estimação.

Não deite fora quaisquer medicamentos na canalização ou no lixo doméstico. Pergunte ao seu médico, enfermeiro ou farmacêutico como deitar fora os medicamentos que já não utiliza. Estas medidas ajudarão a proteger o ambiente.
Espectro de susceptibilidade e tolerância bacteriológica
Sem informação.
Usar com precaução

Xipamida + Diuréticos

Observações: n.d.
Interacções: As seguintes interacções foram notificadas para os diuréticos tiazidas e substâncias aparentadas e podem por isso ser também relevantes para a xipamida: O efeito anti-hipertensivo da xipamida pode ser intensificado com a utilização de outros diuréticos, agentes anti-hipertensivos, bloqueadores beta-adrenérgicos, nitratos, vasodilatadores, barbituratos, fenotiazinas, antidepressivos tricíclicos ou pelo consumo de álcool. Precauções particulares têm de ser tomadas com as seguintes associações: Se a deficiência em sódio foi causada pelo tratamento prévio com um diurético anti-hipertensivo, é necessário: Interromper o diurético três dias antes de iniciar o tratamento com inibidores da ECA e, se necessário, utilizar uma substância caliurética adicional ou iniciar o inibidor da ECA com uma dose baixa e ir aumentando subsequentemente a dose. Em doentes com descompensação cardíaca, a dose inicial do inibidor da ECA deve ser muito baixa, se possível após a redução da dose da substância caliurética administrada concomitantemente. Em qualquer grau a função renal (determinação da creatinina sérica) deve ser controlada nas primeiras semanas de tratamento com um inibidor da ECA. Outras substâncias com diminuição do efeito nos níveis de potássio: Anfotericina B (I.V.) Gluco- e mineralocorticóides (sistémicos) Tetracosactide Laxantes estimulantes Risco aumentado de hipocalémia (efeito aditivo) Controlar e se necessário corrigir os níveis plasmáticos de potássio; tem de ser seguido em particular em doentes tratados com glicosidos cardíacos. As seguintes associações podem causar interacções: Diuréticos caliuréticos (ex: furosemida), glucocorticoides, ACTH, carbenoxolone, penicilina G, anfotericina B ou laxantes: A utilização concomitante de xipamida pode conduzir a um aumento da perda de potássio. - Diuréticos
Não recomendado/Evitar

Indapamida + Xipamida

Observações: N.D.
Interacções: Associações que não são recomendadas: Diuréticos: A co-administração de indapamida com diuréticos que podem causar hipocaliemia (bumetanida, furosemida, piretanida, tiazidas e xipamida) não é recomendada. - Xipamida
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Xipamida + Antihipertensores

Observações: n.d.
Interacções: As seguintes interacções foram notificadas para os diuréticos tiazidas e substâncias aparentadas e podem por isso ser também relevantes para a xipamida: O efeito anti-hipertensivo da xipamida pode ser intensificado com a utilização de outros diuréticos, agentes anti-hipertensivos, bloqueadores beta-adrenérgicos, nitratos, vasodilatadores, barbituratos, fenotiazinas, antidepressivos tricíclicos ou pelo consumo de álcool. As seguintes associações podem causar interacções: Alfa bloqueadores urológicos (alfuzosina, doxazosina, prazosina, tansulosina, terazosina) e anti-hipertensivos alfa-bloqueadores. Aumentam o efeito anti-hipertensivo. Risco de hipotensão ortostática grave. - Antihipertensores
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Xipamida + Bloqueadores beta-adrenérgicos (betabloqueadores)

Observações: n.d.
Interacções: As seguintes interacções foram notificadas para os diuréticos tiazidas e substâncias aparentadas e podem por isso ser também relevantes para a xipamida: O efeito anti-hipertensivo da xipamida pode ser intensificado com a utilização de outros diuréticos, agentes anti-hipertensivos, bloqueadores beta-adrenérgicos, nitratos, vasodilatadores, barbituratos, fenotiazinas, antidepressivos tricíclicos ou pelo consumo de álcool. - Bloqueadores beta-adrenérgicos (betabloqueadores)
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Xipamida + Nitratos

Observações: n.d.
Interacções: As seguintes interacções foram notificadas para os diuréticos tiazidas e substâncias aparentadas e podem por isso ser também relevantes para a xipamida: O efeito anti-hipertensivo da xipamida pode ser intensificado com a utilização de outros diuréticos, agentes anti-hipertensivos, bloqueadores beta-adrenérgicos, nitratos, vasodilatadores, barbituratos, fenotiazinas, antidepressivos tricíclicos ou pelo consumo de álcool. - Nitratos
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Xipamida + Vasodilatadores

Observações: n.d.
Interacções: As seguintes interacções foram notificadas para os diuréticos tiazidas e substâncias aparentadas e podem por isso ser também relevantes para a xipamida: O efeito anti-hipertensivo da xipamida pode ser intensificado com a utilização de outros diuréticos, agentes anti-hipertensivos, bloqueadores beta-adrenérgicos, nitratos, vasodilatadores, barbituratos, fenotiazinas, antidepressivos tricíclicos ou pelo consumo de álcool. - Vasodilatadores
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Xipamida + Barbitúricos

Observações: n.d.
Interacções: As seguintes interacções foram notificadas para os diuréticos tiazidas e substâncias aparentadas e podem por isso ser também relevantes para a xipamida: O efeito anti-hipertensivo da xipamida pode ser intensificado com a utilização de outros diuréticos, agentes anti-hipertensivos, bloqueadores beta-adrenérgicos, nitratos, vasodilatadores, barbituratos, fenotiazinas, antidepressivos tricíclicos ou pelo consumo de álcool. - Barbitúricos
Usar com precaução

Xipamida + Fenotiazidas (fenotiazinas)

Observações: n.d.
Interacções: As seguintes interacções foram notificadas para os diuréticos tiazidas e substâncias aparentadas e podem por isso ser também relevantes para a xipamida: O efeito anti-hipertensivo da xipamida pode ser intensificado com a utilização de outros diuréticos, agentes anti-hipertensivos, bloqueadores beta-adrenérgicos, nitratos, vasodilatadores, barbituratos, fenotiazinas, antidepressivos tricíclicos ou pelo consumo de álcool. Precauções particulares têm de ser tomadas com as seguintes associações: Substâncias que induzem a “torsade de pointes” (excluindo sultopride) Antiarrítmicos da classe Ia (ex: quinidina, hidroquinidina, disopiramide), Antiarrítmicos da classe III (ex: amidarona, sotalol, dofetilide, ibutilide), Antipsicóticos específicos: fenotiazina (ex: clorpromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamida (ex: amisulpride, sulpiride, tiapride), butirofenones (ex: droperidol, haloperidol), Outros: bepridil, cisapride, difemanil, eritromicina I.V., halofantrina, mizolastina, pentamidina, sparfloxacina, mixofloxacina, vincamina I.V. Risco aumentado de arritmias ventriculares, em particular “torsade de pointes” (promovida por hipocalémia). Antes de iniciar o tratamento com esta combinação, verificar a hipocalémia e se necessário, corrigir. Fazer o controlo clínico, controlo plasmático dos eletrólitos e monitorizar o ECG. Devem ser preferidas substâncias que não causem “torsade de pointes” no caso de hipocalémia concomitante. - Fenotiazidas (fenotiazinas)
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Xipamida + Antidepressores (Tricíclicos)

Observações: n.d.
Interacções: As seguintes interacções foram notificadas para os diuréticos tiazidas e substâncias aparentadas e podem por isso ser também relevantes para a xipamida: O efeito anti-hipertensivo da xipamida pode ser intensificado com a utilização de outros diuréticos, agentes anti-hipertensivos, bloqueadores beta-adrenérgicos, nitratos, vasodilatadores, barbituratos, fenotiazinas, antidepressivos tricíclicos ou pelo consumo de álcool. As seguintes associações podem causar interacções: Antidepressivos tricíclicos (tipo imipramine), neurolépticos: Efeito antidepressivo e risco aumentado de hipotensão ortostática (efeito aditivo). - Antidepressores (Tricíclicos)
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Xipamida + Álcool

Observações: n.d.
Interacções: As seguintes interacções foram notificadas para os diuréticos tiazidas e substâncias aparentadas e podem por isso ser também relevantes para a xipamida: O efeito anti-hipertensivo da xipamida pode ser intensificado com a utilização de outros diuréticos, agentes anti-hipertensivos, bloqueadores beta-adrenérgicos, nitratos, vasodilatadores, barbituratos, fenotiazinas, antidepressivos tricíclicos ou pelo consumo de álcool. - Álcool
Usar com precaução

Xipamida + Diuréticos da ansa

Observações: n.d.
Interacções: A utilização concomitante de Xipamida e de diuréticos da ansa aumenta o risco de alterações no metabolismo eletrolítico e no equilíbrio da água. Portanto, é necessário um controlo apertado apropriado. - Diuréticos da ansa
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Xipamida + Salicilatos

Observações: n.d.
Interacções: O efeito anti-hipertensivo e diurético do Xipamida pode ser reduzido pela administração concomitante de salicilatos ou outros agentes antiflogísticos não esteroides (ex: indometacina). - Salicilatos
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Xipamida + Anti-inflamatórios

Observações: n.d.
Interacções: O efeito anti-hipertensivo e diurético do Xipamida pode ser reduzido pela administração concomitante de salicilatos ou outros agentes antiflogísticos não esteroides (ex: indometacina). - Anti-inflamatórios
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Xipamida + Indometacina

Observações: n.d.
Interacções: O efeito anti-hipertensivo e diurético do Xipamida pode ser reduzido pela administração concomitante de salicilatos ou outros agentes antiflogísticos não esteroides (ex: indometacina). - Indometacina
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Xipamida + Hipoglicemiantes

Observações: n.d.
Interacções: A acção de agentes antidiabéticos, agentes que diminuem os níveis de ácido úrico, noradrenalina e adrenalina pode ser reduzida. - Hipoglicemiantes
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Xipamida + Noradrenalina (Norepinefrina)

Observações: n.d.
Interacções: A acção de agentes antidiabéticos, agentes que diminuem os níveis de ácido úrico, noradrenalina e adrenalina pode ser reduzida. - Noradrenalina (Norepinefrina)
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Xipamida + Uricosúricos (gota) (Antigotosos)

Observações: n.d.
Interacções: A acção de agentes antidiabéticos, agentes que diminuem os níveis de ácido úrico, noradrenalina e adrenalina pode ser reduzida. - Uricosúricos (gota) (Antigotosos)
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Xipamida + Adrenalina (epinefrina)

Observações: n.d.
Interacções: A acção de agentes antidiabéticos, agentes que diminuem os níveis de ácido úrico, noradrenalina e adrenalina pode ser reduzida. - Adrenalina (epinefrina)
Não recomendado/Evitar

Xipamida + Lítio

Observações: n.d.
Interacções: As seguintes associações não são recomendadas: Lítio: No caso de terapêutica concomitante com lítio, a cardiotoxicidade e efeitos neurotóxicos do lítio serão intensificados. Se o tratamento diurético for inevitável é necessária uma monitorização adequada dos níveis de lítio e um ajuste da dose. - Lítio
Não recomendado/Evitar

Xipamida + Sultoprida

Observações: n.d.
Interacções: As seguintes associações não são recomendadas: Sultopride: Aumenta o risco de arritmias ventriculares, especialmente “torsade de pointes” (hipocalémia é um fator de predisposição). Fazer monitorização clínica, eletrolítica e eletrocardiográfica. Precauções particulares têm de ser tomadas com as seguintes associações: Substâncias que induzem a “torsade de pointes” (excluindo sultopride) Antiarrítmicos da classe Ia (ex: quinidina, hidroquinidina, disopiramide), Antiarrítmicos da classe III (ex: amidarona, sotalol, dofetilide, ibutilide), Antipsicóticos específicos: fenotiazina (ex: clorpromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamida (ex: amisulpride, sulpiride, tiapride), butirofenones (ex: droperidol, haloperidol), Outros: bepridil, cisapride, difemanil, eritromicina I.V., halofantrina, mizolastina, pentamidina, sparfloxacina, mixofloxacina, vincamina I.V. Risco aumentado de arritmias ventriculares, em particular “torsade de pointes” (promovida por hipocalémia). Antes de iniciar o tratamento com esta combinação, verificar a hipocalémia e se necessário, corrigir. Fazer o controlo clínico, controlo plasmático dos eletrólitos e monitorizar o ECG. Devem ser preferidas substâncias que não causem “torsade de pointes” no caso de hipocalémia concomitante. - Sultoprida
Usar com precaução

Xipamida + Medicamentos potenciadores de Torsades de Pointes

Observações: n.d.
Interacções: Precauções particulares têm de ser tomadas com as seguintes associações: Substâncias que induzem a “torsade de pointes” (excluindo sultopride) Antiarrítmicos da classe Ia (ex: quinidina, hidroquinidina, disopiramide), Antiarrítmicos da classe III (ex: amidarona, sotalol, dofetilide, ibutilide), Antipsicóticos específicos: fenotiazina (ex: clorpromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamida (ex: amisulpride, sulpiride, tiapride), butirofenones (ex: droperidol, haloperidol), Outros: bepridil, cisapride, difemanil, eritromicina I.V., halofantrina, mizolastina, pentamidina, sparfloxacina, mixofloxacina, vincamina I.V. Risco aumentado de arritmias ventriculares, em particular “torsade de pointes” (promovida por hipocalémia). Antes de iniciar o tratamento com esta combinação, verificar a hipocalémia e se necessário, corrigir. Fazer o controlo clínico, controlo plasmático dos eletrólitos e monitorizar o ECG. Devem ser preferidas substâncias que não causem “torsade de pointes” no caso de hipocalémia concomitante. - Medicamentos potenciadores de Torsades de Pointes
Usar com precaução

Xipamida + Antiarrítmicos

Observações: n.d.
Interacções: Precauções particulares têm de ser tomadas com as seguintes associações: Substâncias que induzem a “torsade de pointes” (excluindo sultopride) Antiarrítmicos da classe Ia (ex: quinidina, hidroquinidina, disopiramide), Antiarrítmicos da classe III (ex: amidarona, sotalol, dofetilide, ibutilide), Antipsicóticos específicos: fenotiazina (ex: clorpromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamida (ex: amisulpride, sulpiride, tiapride), butirofenones (ex: droperidol, haloperidol), Outros: bepridil, cisapride, difemanil, eritromicina I.V., halofantrina, mizolastina, pentamidina, sparfloxacina, mixofloxacina, vincamina I.V. Risco aumentado de arritmias ventriculares, em particular “torsade de pointes” (promovida por hipocalémia). Antes de iniciar o tratamento com esta combinação, verificar a hipocalémia e se necessário, corrigir. Fazer o controlo clínico, controlo plasmático dos eletrólitos e monitorizar o ECG. Devem ser preferidas substâncias que não causem “torsade de pointes” no caso de hipocalémia concomitante. - Antiarrítmicos
Usar com precaução

Xipamida + Disopiramida

Observações: n.d.
Interacções: Precauções particulares têm de ser tomadas com as seguintes associações: Substâncias que induzem a “torsade de pointes” (excluindo sultopride) Antiarrítmicos da classe Ia (ex: quinidina, hidroquinidina, disopiramide), Antiarrítmicos da classe III (ex: amidarona, sotalol, dofetilide, ibutilide), Antipsicóticos específicos: fenotiazina (ex: clorpromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamida (ex: amisulpride, sulpiride, tiapride), butirofenones (ex: droperidol, haloperidol), Outros: bepridil, cisapride, difemanil, eritromicina I.V., halofantrina, mizolastina, pentamidina, sparfloxacina, mixofloxacina, vincamina I.V. Risco aumentado de arritmias ventriculares, em particular “torsade de pointes” (promovida por hipocalémia). Antes de iniciar o tratamento com esta combinação, verificar a hipocalémia e se necessário, corrigir. Fazer o controlo clínico, controlo plasmático dos eletrólitos e monitorizar o ECG. Devem ser preferidas substâncias que não causem “torsade de pointes” no caso de hipocalémia concomitante. - Disopiramida
Usar com precaução

Xipamida + Quinidina

Observações: n.d.
Interacções: Precauções particulares têm de ser tomadas com as seguintes associações: Substâncias que induzem a “torsade de pointes” (excluindo sultopride) Antiarrítmicos da classe Ia (ex: quinidina, hidroquinidina, disopiramide), Antiarrítmicos da classe III (ex: amidarona, sotalol, dofetilide, ibutilide), Antipsicóticos específicos: fenotiazina (ex: clorpromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamida (ex: amisulpride, sulpiride, tiapride), butirofenones (ex: droperidol, haloperidol), Outros: bepridil, cisapride, difemanil, eritromicina I.V., halofantrina, mizolastina, pentamidina, sparfloxacina, mixofloxacina, vincamina I.V. Risco aumentado de arritmias ventriculares, em particular “torsade de pointes” (promovida por hipocalémia). Antes de iniciar o tratamento com esta combinação, verificar a hipocalémia e se necessário, corrigir. Fazer o controlo clínico, controlo plasmático dos eletrólitos e monitorizar o ECG. Devem ser preferidas substâncias que não causem “torsade de pointes” no caso de hipocalémia concomitante. As seguintes associações podem causar interacções: Quinidina: Excreção pode estar reduzida. - Quinidina
Usar com precaução

Xipamida + Hidroquinidina

Observações: n.d.
Interacções: Precauções particulares têm de ser tomadas com as seguintes associações: Substâncias que induzem a “torsade de pointes” (excluindo sultopride) Antiarrítmicos da classe Ia (ex: quinidina, hidroquinidina, disopiramide), Antiarrítmicos da classe III (ex: amidarona, sotalol, dofetilide, ibutilide), Antipsicóticos específicos: fenotiazina (ex: clorpromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamida (ex: amisulpride, sulpiride, tiapride), butirofenones (ex: droperidol, haloperidol), Outros: bepridil, cisapride, difemanil, eritromicina I.V., halofantrina, mizolastina, pentamidina, sparfloxacina, mixofloxacina, vincamina I.V. Risco aumentado de arritmias ventriculares, em particular “torsade de pointes” (promovida por hipocalémia). Antes de iniciar o tratamento com esta combinação, verificar a hipocalémia e se necessário, corrigir. Fazer o controlo clínico, controlo plasmático dos eletrólitos e monitorizar o ECG. Devem ser preferidas substâncias que não causem “torsade de pointes” no caso de hipocalémia concomitante. - Hidroquinidina
Usar com precaução

Xipamida + Amiodarona

Observações: n.d.
Interacções: Precauções particulares têm de ser tomadas com as seguintes associações: Substâncias que induzem a “torsade de pointes” (excluindo sultopride) Antiarrítmicos da classe Ia (ex: quinidina, hidroquinidina, disopiramide), Antiarrítmicos da classe III (ex: amidarona, sotalol, dofetilide, ibutilide), Antipsicóticos específicos: fenotiazina (ex: clorpromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamida (ex: amisulpride, sulpiride, tiapride), butirofenones (ex: droperidol, haloperidol), Outros: bepridil, cisapride, difemanil, eritromicina I.V., halofantrina, mizolastina, pentamidina, sparfloxacina, mixofloxacina, vincamina I.V. Risco aumentado de arritmias ventriculares, em particular “torsade de pointes” (promovida por hipocalémia). Antes de iniciar o tratamento com esta combinação, verificar a hipocalémia e se necessário, corrigir. Fazer o controlo clínico, controlo plasmático dos eletrólitos e monitorizar o ECG. Devem ser preferidas substâncias que não causem “torsade de pointes” no caso de hipocalémia concomitante. - Amiodarona
Usar com precaução

Xipamida + Sotalol

Observações: n.d.
Interacções: Precauções particulares têm de ser tomadas com as seguintes associações: Substâncias que induzem a “torsade de pointes” (excluindo sultopride) Antiarrítmicos da classe Ia (ex: quinidina, hidroquinidina, disopiramide), Antiarrítmicos da classe III (ex: amidarona, sotalol, dofetilide, ibutilide), Antipsicóticos específicos: fenotiazina (ex: clorpromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamida (ex: amisulpride, sulpiride, tiapride), butirofenones (ex: droperidol, haloperidol), Outros: bepridil, cisapride, difemanil, eritromicina I.V., halofantrina, mizolastina, pentamidina, sparfloxacina, mixofloxacina, vincamina I.V. Risco aumentado de arritmias ventriculares, em particular “torsade de pointes” (promovida por hipocalémia). Antes de iniciar o tratamento com esta combinação, verificar a hipocalémia e se necessário, corrigir. Fazer o controlo clínico, controlo plasmático dos eletrólitos e monitorizar o ECG. Devem ser preferidas substâncias que não causem “torsade de pointes” no caso de hipocalémia concomitante. - Sotalol
Usar com precaução

Xipamida + Dofetilida

Observações: n.d.
Interacções: Precauções particulares têm de ser tomadas com as seguintes associações: Substâncias que induzem a “torsade de pointes” (excluindo sultopride) Antiarrítmicos da classe Ia (ex: quinidina, hidroquinidina, disopiramide), Antiarrítmicos da classe III (ex: amidarona, sotalol, dofetilide, ibutilide), Antipsicóticos específicos: fenotiazina (ex: clorpromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamida (ex: amisulpride, sulpiride, tiapride), butirofenones (ex: droperidol, haloperidol), Outros: bepridil, cisapride, difemanil, eritromicina I.V., halofantrina, mizolastina, pentamidina, sparfloxacina, mixofloxacina, vincamina I.V. Risco aumentado de arritmias ventriculares, em particular “torsade de pointes” (promovida por hipocalémia). Antes de iniciar o tratamento com esta combinação, verificar a hipocalémia e se necessário, corrigir. Fazer o controlo clínico, controlo plasmático dos eletrólitos e monitorizar o ECG. Devem ser preferidas substâncias que não causem “torsade de pointes” no caso de hipocalémia concomitante. - Dofetilida
Usar com precaução

Xipamida + Ibutilida

Observações: n.d.
Interacções: Precauções particulares têm de ser tomadas com as seguintes associações: Substâncias que induzem a “torsade de pointes” (excluindo sultopride) Antiarrítmicos da classe Ia (ex: quinidina, hidroquinidina, disopiramide), Antiarrítmicos da classe III (ex: amidarona, sotalol, dofetilide, ibutilide), Antipsicóticos específicos: fenotiazina (ex: clorpromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamida (ex: amisulpride, sulpiride, tiapride), butirofenones (ex: droperidol, haloperidol), Outros: bepridil, cisapride, difemanil, eritromicina I.V., halofantrina, mizolastina, pentamidina, sparfloxacina, mixofloxacina, vincamina I.V. Risco aumentado de arritmias ventriculares, em particular “torsade de pointes” (promovida por hipocalémia). Antes de iniciar o tratamento com esta combinação, verificar a hipocalémia e se necessário, corrigir. Fazer o controlo clínico, controlo plasmático dos eletrólitos e monitorizar o ECG. Devem ser preferidas substâncias que não causem “torsade de pointes” no caso de hipocalémia concomitante. - Ibutilida
Usar com precaução

Xipamida + Antipsicóticos

Observações: n.d.
Interacções: Precauções particulares têm de ser tomadas com as seguintes associações: Substâncias que induzem a “torsade de pointes” (excluindo sultopride) Antiarrítmicos da classe Ia (ex: quinidina, hidroquinidina, disopiramide), Antiarrítmicos da classe III (ex: amidarona, sotalol, dofetilide, ibutilide), Antipsicóticos específicos: fenotiazina (ex: clorpromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamida (ex: amisulpride, sulpiride, tiapride), butirofenones (ex: droperidol, haloperidol), Outros: bepridil, cisapride, difemanil, eritromicina I.V., halofantrina, mizolastina, pentamidina, sparfloxacina, mixofloxacina, vincamina I.V. Risco aumentado de arritmias ventriculares, em particular “torsade de pointes” (promovida por hipocalémia). Antes de iniciar o tratamento com esta combinação, verificar a hipocalémia e se necessário, corrigir. Fazer o controlo clínico, controlo plasmático dos eletrólitos e monitorizar o ECG. Devem ser preferidas substâncias que não causem “torsade de pointes” no caso de hipocalémia concomitante. - Antipsicóticos
Usar com precaução

Xipamida + Ciamemazina

Observações: n.d.
Interacções: Precauções particulares têm de ser tomadas com as seguintes associações: Substâncias que induzem a “torsade de pointes” (excluindo sultopride) Antiarrítmicos da classe Ia (ex: quinidina, hidroquinidina, disopiramide), Antiarrítmicos da classe III (ex: amidarona, sotalol, dofetilide, ibutilide), Antipsicóticos específicos: fenotiazina (ex: clorpromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamida (ex: amisulpride, sulpiride, tiapride), butirofenones (ex: droperidol, haloperidol), Outros: bepridil, cisapride, difemanil, eritromicina I.V., halofantrina, mizolastina, pentamidina, sparfloxacina, mixofloxacina, vincamina I.V. Risco aumentado de arritmias ventriculares, em particular “torsade de pointes” (promovida por hipocalémia). Antes de iniciar o tratamento com esta combinação, verificar a hipocalémia e se necessário, corrigir. Fazer o controlo clínico, controlo plasmático dos eletrólitos e monitorizar o ECG. Devem ser preferidas substâncias que não causem “torsade de pointes” no caso de hipocalémia concomitante. - Ciamemazina
Usar com precaução

Xipamida + Levomepromazina

Observações: n.d.
Interacções: Precauções particulares têm de ser tomadas com as seguintes associações: Substâncias que induzem a “torsade de pointes” (excluindo sultopride) Antiarrítmicos da classe Ia (ex: quinidina, hidroquinidina, disopiramide), Antiarrítmicos da classe III (ex: amidarona, sotalol, dofetilide, ibutilide), Antipsicóticos específicos: fenotiazina (ex: clorpromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamida (ex: amisulpride, sulpiride, tiapride), butirofenones (ex: droperidol, haloperidol), Outros: bepridil, cisapride, difemanil, eritromicina I.V., halofantrina, mizolastina, pentamidina, sparfloxacina, mixofloxacina, vincamina I.V. Risco aumentado de arritmias ventriculares, em particular “torsade de pointes” (promovida por hipocalémia). Antes de iniciar o tratamento com esta combinação, verificar a hipocalémia e se necessário, corrigir. Fazer o controlo clínico, controlo plasmático dos eletrólitos e monitorizar o ECG. Devem ser preferidas substâncias que não causem “torsade de pointes” no caso de hipocalémia concomitante. - Levomepromazina
Usar com precaução

Xipamida + Clorpromazina

Observações: n.d.
Interacções: Precauções particulares têm de ser tomadas com as seguintes associações: Substâncias que induzem a “torsade de pointes” (excluindo sultopride) Antiarrítmicos da classe Ia (ex: quinidina, hidroquinidina, disopiramide), Antiarrítmicos da classe III (ex: amidarona, sotalol, dofetilide, ibutilide), Antipsicóticos específicos: fenotiazina (ex: clorpromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamida (ex: amisulpride, sulpiride, tiapride), butirofenones (ex: droperidol, haloperidol), Outros: bepridil, cisapride, difemanil, eritromicina I.V., halofantrina, mizolastina, pentamidina, sparfloxacina, mixofloxacina, vincamina I.V. Risco aumentado de arritmias ventriculares, em particular “torsade de pointes” (promovida por hipocalémia). Antes de iniciar o tratamento com esta combinação, verificar a hipocalémia e se necessário, corrigir. Fazer o controlo clínico, controlo plasmático dos eletrólitos e monitorizar o ECG. Devem ser preferidas substâncias que não causem “torsade de pointes” no caso de hipocalémia concomitante. - Clorpromazina
Usar com precaução

Xipamida + Trifluoperazina

Observações: n.d.
Interacções: Precauções particulares têm de ser tomadas com as seguintes associações: Substâncias que induzem a “torsade de pointes” (excluindo sultopride) Antiarrítmicos da classe Ia (ex: quinidina, hidroquinidina, disopiramide), Antiarrítmicos da classe III (ex: amidarona, sotalol, dofetilide, ibutilide), Antipsicóticos específicos: fenotiazina (ex: clorpromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamida (ex: amisulpride, sulpiride, tiapride), butirofenones (ex: droperidol, haloperidol), Outros: bepridil, cisapride, difemanil, eritromicina I.V., halofantrina, mizolastina, pentamidina, sparfloxacina, mixofloxacina, vincamina I.V. Risco aumentado de arritmias ventriculares, em particular “torsade de pointes” (promovida por hipocalémia). Antes de iniciar o tratamento com esta combinação, verificar a hipocalémia e se necessário, corrigir. Fazer o controlo clínico, controlo plasmático dos eletrólitos e monitorizar o ECG. Devem ser preferidas substâncias que não causem “torsade de pointes” no caso de hipocalémia concomitante. - Trifluoperazina
Usar com precaução

Xipamida + Tioridazina

Observações: n.d.
Interacções: Precauções particulares têm de ser tomadas com as seguintes associações: Substâncias que induzem a “torsade de pointes” (excluindo sultopride) Antiarrítmicos da classe Ia (ex: quinidina, hidroquinidina, disopiramide), Antiarrítmicos da classe III (ex: amidarona, sotalol, dofetilide, ibutilide), Antipsicóticos específicos: fenotiazina (ex: clorpromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamida (ex: amisulpride, sulpiride, tiapride), butirofenones (ex: droperidol, haloperidol), Outros: bepridil, cisapride, difemanil, eritromicina I.V., halofantrina, mizolastina, pentamidina, sparfloxacina, mixofloxacina, vincamina I.V. Risco aumentado de arritmias ventriculares, em particular “torsade de pointes” (promovida por hipocalémia). Antes de iniciar o tratamento com esta combinação, verificar a hipocalémia e se necessário, corrigir. Fazer o controlo clínico, controlo plasmático dos eletrólitos e monitorizar o ECG. Devem ser preferidas substâncias que não causem “torsade de pointes” no caso de hipocalémia concomitante. - Tioridazina
Usar com precaução

Xipamida + Benzamidas

Observações: n.d.
Interacções: Precauções particulares têm de ser tomadas com as seguintes associações: Substâncias que induzem a “torsade de pointes” (excluindo sultopride) Antiarrítmicos da classe Ia (ex: quinidina, hidroquinidina, disopiramide), Antiarrítmicos da classe III (ex: amidarona, sotalol, dofetilide, ibutilide), Antipsicóticos específicos: fenotiazina (ex: clorpromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamida (ex: amisulpride, sulpiride, tiapride), butirofenones (ex: droperidol, haloperidol), Outros: bepridil, cisapride, difemanil, eritromicina I.V., halofantrina, mizolastina, pentamidina, sparfloxacina, mixofloxacina, vincamina I.V. Risco aumentado de arritmias ventriculares, em particular “torsade de pointes” (promovida por hipocalémia). Antes de iniciar o tratamento com esta combinação, verificar a hipocalémia e se necessário, corrigir. Fazer o controlo clínico, controlo plasmático dos eletrólitos e monitorizar o ECG. Devem ser preferidas substâncias que não causem “torsade de pointes” no caso de hipocalémia concomitante. - Benzamidas
Usar com precaução

Xipamida + Amissulprida

Observações: n.d.
Interacções: Precauções particulares têm de ser tomadas com as seguintes associações: Substâncias que induzem a “torsade de pointes” (excluindo sultopride) Antiarrítmicos da classe Ia (ex: quinidina, hidroquinidina, disopiramide), Antiarrítmicos da classe III (ex: amidarona, sotalol, dofetilide, ibutilide), Antipsicóticos específicos: fenotiazina (ex: clorpromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamida (ex: amisulpride, sulpiride, tiapride), butirofenones (ex: droperidol, haloperidol), Outros: bepridil, cisapride, difemanil, eritromicina I.V., halofantrina, mizolastina, pentamidina, sparfloxacina, mixofloxacina, vincamina I.V. Risco aumentado de arritmias ventriculares, em particular “torsade de pointes” (promovida por hipocalémia). Antes de iniciar o tratamento com esta combinação, verificar a hipocalémia e se necessário, corrigir. Fazer o controlo clínico, controlo plasmático dos eletrólitos e monitorizar o ECG. Devem ser preferidas substâncias que não causem “torsade de pointes” no caso de hipocalémia concomitante. - Amissulprida
Usar com precaução

Xipamida + Sulpirida

Observações: n.d.
Interacções: Precauções particulares têm de ser tomadas com as seguintes associações: Substâncias que induzem a “torsade de pointes” (excluindo sultopride) Antiarrítmicos da classe Ia (ex: quinidina, hidroquinidina, disopiramide), Antiarrítmicos da classe III (ex: amidarona, sotalol, dofetilide, ibutilide), Antipsicóticos específicos: fenotiazina (ex: clorpromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamida (ex: amisulpride, sulpiride, tiapride), butirofenones (ex: droperidol, haloperidol), Outros: bepridil, cisapride, difemanil, eritromicina I.V., halofantrina, mizolastina, pentamidina, sparfloxacina, mixofloxacina, vincamina I.V. Risco aumentado de arritmias ventriculares, em particular “torsade de pointes” (promovida por hipocalémia). Antes de iniciar o tratamento com esta combinação, verificar a hipocalémia e se necessário, corrigir. Fazer o controlo clínico, controlo plasmático dos eletrólitos e monitorizar o ECG. Devem ser preferidas substâncias que não causem “torsade de pointes” no caso de hipocalémia concomitante. - Sulpirida
Usar com precaução

Xipamida + Tiaprida

Observações: n.d.
Interacções: Precauções particulares têm de ser tomadas com as seguintes associações: Substâncias que induzem a “torsade de pointes” (excluindo sultopride) Antiarrítmicos da classe Ia (ex: quinidina, hidroquinidina, disopiramide), Antiarrítmicos da classe III (ex: amidarona, sotalol, dofetilide, ibutilide), Antipsicóticos específicos: fenotiazina (ex: clorpromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamida (ex: amisulpride, sulpiride, tiapride), butirofenones (ex: droperidol, haloperidol), Outros: bepridil, cisapride, difemanil, eritromicina I.V., halofantrina, mizolastina, pentamidina, sparfloxacina, mixofloxacina, vincamina I.V. Risco aumentado de arritmias ventriculares, em particular “torsade de pointes” (promovida por hipocalémia). Antes de iniciar o tratamento com esta combinação, verificar a hipocalémia e se necessário, corrigir. Fazer o controlo clínico, controlo plasmático dos eletrólitos e monitorizar o ECG. Devem ser preferidas substâncias que não causem “torsade de pointes” no caso de hipocalémia concomitante. - Tiaprida
Usar com precaução

Xipamida + Butirofenonas

Observações: n.d.
Interacções: Precauções particulares têm de ser tomadas com as seguintes associações: Substâncias que induzem a “torsade de pointes” (excluindo sultopride) Antiarrítmicos da classe Ia (ex: quinidina, hidroquinidina, disopiramide), Antiarrítmicos da classe III (ex: amidarona, sotalol, dofetilide, ibutilide), Antipsicóticos específicos: fenotiazina (ex: clorpromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamida (ex: amisulpride, sulpiride, tiapride), butirofenones (ex: droperidol, haloperidol), Outros: bepridil, cisapride, difemanil, eritromicina I.V., halofantrina, mizolastina, pentamidina, sparfloxacina, mixofloxacina, vincamina I.V. Risco aumentado de arritmias ventriculares, em particular “torsade de pointes” (promovida por hipocalémia). Antes de iniciar o tratamento com esta combinação, verificar a hipocalémia e se necessário, corrigir. Fazer o controlo clínico, controlo plasmático dos eletrólitos e monitorizar o ECG. Devem ser preferidas substâncias que não causem “torsade de pointes” no caso de hipocalémia concomitante. - Butirofenonas
Usar com precaução

Xipamida + Droperidol

Observações: n.d.
Interacções: Precauções particulares têm de ser tomadas com as seguintes associações: Substâncias que induzem a “torsade de pointes” (excluindo sultopride) Antiarrítmicos da classe Ia (ex: quinidina, hidroquinidina, disopiramide), Antiarrítmicos da classe III (ex: amidarona, sotalol, dofetilide, ibutilide), Antipsicóticos específicos: fenotiazina (ex: clorpromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamida (ex: amisulpride, sulpiride, tiapride), butirofenones (ex: droperidol, haloperidol), Outros: bepridil, cisapride, difemanil, eritromicina I.V., halofantrina, mizolastina, pentamidina, sparfloxacina, mixofloxacina, vincamina I.V. Risco aumentado de arritmias ventriculares, em particular “torsade de pointes” (promovida por hipocalémia). Antes de iniciar o tratamento com esta combinação, verificar a hipocalémia e se necessário, corrigir. Fazer o controlo clínico, controlo plasmático dos eletrólitos e monitorizar o ECG. Devem ser preferidas substâncias que não causem “torsade de pointes” no caso de hipocalémia concomitante. - Droperidol
Usar com precaução

Xipamida + Haloperidol

Observações: n.d.
Interacções: Precauções particulares têm de ser tomadas com as seguintes associações: Substâncias que induzem a “torsade de pointes” (excluindo sultopride) Antiarrítmicos da classe Ia (ex: quinidina, hidroquinidina, disopiramide), Antiarrítmicos da classe III (ex: amidarona, sotalol, dofetilide, ibutilide), Antipsicóticos específicos: fenotiazina (ex: clorpromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamida (ex: amisulpride, sulpiride, tiapride), butirofenones (ex: droperidol, haloperidol), Outros: bepridil, cisapride, difemanil, eritromicina I.V., halofantrina, mizolastina, pentamidina, sparfloxacina, mixofloxacina, vincamina I.V. Risco aumentado de arritmias ventriculares, em particular “torsade de pointes” (promovida por hipocalémia). Antes de iniciar o tratamento com esta combinação, verificar a hipocalémia e se necessário, corrigir. Fazer o controlo clínico, controlo plasmático dos eletrólitos e monitorizar o ECG. Devem ser preferidas substâncias que não causem “torsade de pointes” no caso de hipocalémia concomitante. - Haloperidol
Usar com precaução

Xipamida + Cisaprida

Observações: n.d.
Interacções: Precauções particulares têm de ser tomadas com as seguintes associações: Substâncias que induzem a “torsade de pointes” (excluindo sultopride) Antiarrítmicos da classe Ia (ex: quinidina, hidroquinidina, disopiramide), Antiarrítmicos da classe III (ex: amidarona, sotalol, dofetilide, ibutilide), Antipsicóticos específicos: fenotiazina (ex: clorpromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamida (ex: amisulpride, sulpiride, tiapride), butirofenones (ex: droperidol, haloperidol), Outros: bepridil, cisapride, difemanil, eritromicina I.V., halofantrina, mizolastina, pentamidina, sparfloxacina, mixofloxacina, vincamina I.V. Risco aumentado de arritmias ventriculares, em particular “torsade de pointes” (promovida por hipocalémia). Antes de iniciar o tratamento com esta combinação, verificar a hipocalémia e se necessário, corrigir. Fazer o controlo clínico, controlo plasmático dos eletrólitos e monitorizar o ECG. Devem ser preferidas substâncias que não causem “torsade de pointes” no caso de hipocalémia concomitante. - Cisaprida
Usar com precaução

Xipamida + Bepridilo

Observações: n.d.
Interacções: Precauções particulares têm de ser tomadas com as seguintes associações: Substâncias que induzem a “torsade de pointes” (excluindo sultopride) Antiarrítmicos da classe Ia (ex: quinidina, hidroquinidina, disopiramide), Antiarrítmicos da classe III (ex: amidarona, sotalol, dofetilide, ibutilide), Antipsicóticos específicos: fenotiazina (ex: clorpromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamida (ex: amisulpride, sulpiride, tiapride), butirofenones (ex: droperidol, haloperidol), Outros: bepridil, cisapride, difemanil, eritromicina I.V., halofantrina, mizolastina, pentamidina, sparfloxacina, mixofloxacina, vincamina I.V. Risco aumentado de arritmias ventriculares, em particular “torsade de pointes” (promovida por hipocalémia). Antes de iniciar o tratamento com esta combinação, verificar a hipocalémia e se necessário, corrigir. Fazer o controlo clínico, controlo plasmático dos eletrólitos e monitorizar o ECG. Devem ser preferidas substâncias que não causem “torsade de pointes” no caso de hipocalémia concomitante. - Bepridilo
Usar com precaução

Xipamida + Metilsulfato de difemanila

Observações: n.d.
Interacções: Precauções particulares têm de ser tomadas com as seguintes associações: Substâncias que induzem a “torsade de pointes” (excluindo sultopride) Antiarrítmicos da classe Ia (ex: quinidina, hidroquinidina, disopiramide), Antiarrítmicos da classe III (ex: amidarona, sotalol, dofetilide, ibutilide), Antipsicóticos específicos: fenotiazina (ex: clorpromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamida (ex: amisulpride, sulpiride, tiapride), butirofenones (ex: droperidol, haloperidol), Outros: bepridil, cisapride, difemanil, eritromicina I.V., halofantrina, mizolastina, pentamidina, sparfloxacina, mixofloxacina, vincamina I.V. Risco aumentado de arritmias ventriculares, em particular “torsade de pointes” (promovida por hipocalémia). Antes de iniciar o tratamento com esta combinação, verificar a hipocalémia e se necessário, corrigir. Fazer o controlo clínico, controlo plasmático dos eletrólitos e monitorizar o ECG. Devem ser preferidas substâncias que não causem “torsade de pointes” no caso de hipocalémia concomitante. - Metilsulfato de difemanila
Usar com precaução

Xipamida + Eritromicina

Observações: n.d.
Interacções: Precauções particulares têm de ser tomadas com as seguintes associações: Substâncias que induzem a “torsade de pointes” (excluindo sultopride) Antiarrítmicos da classe Ia (ex: quinidina, hidroquinidina, disopiramide), Antiarrítmicos da classe III (ex: amidarona, sotalol, dofetilide, ibutilide), Antipsicóticos específicos: fenotiazina (ex: clorpromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamida (ex: amisulpride, sulpiride, tiapride), butirofenones (ex: droperidol, haloperidol), Outros: bepridil, cisapride, difemanil, eritromicina I.V., halofantrina, mizolastina, pentamidina, sparfloxacina, mixofloxacina, vincamina I.V. Risco aumentado de arritmias ventriculares, em particular “torsade de pointes” (promovida por hipocalémia). Antes de iniciar o tratamento com esta combinação, verificar a hipocalémia e se necessário, corrigir. Fazer o controlo clínico, controlo plasmático dos eletrólitos e monitorizar o ECG. Devem ser preferidas substâncias que não causem “torsade de pointes” no caso de hipocalémia concomitante. - Eritromicina
Usar com precaução

Xipamida + Mizolastina

Observações: n.d.
Interacções: Precauções particulares têm de ser tomadas com as seguintes associações: Substâncias que induzem a “torsade de pointes” (excluindo sultopride) Antiarrítmicos da classe Ia (ex: quinidina, hidroquinidina, disopiramide), Antiarrítmicos da classe III (ex: amidarona, sotalol, dofetilide, ibutilide), Antipsicóticos específicos: fenotiazina (ex: clorpromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamida (ex: amisulpride, sulpiride, tiapride), butirofenones (ex: droperidol, haloperidol), Outros: bepridil, cisapride, difemanil, eritromicina I.V., halofantrina, mizolastina, pentamidina, sparfloxacina, mixofloxacina, vincamina I.V. Risco aumentado de arritmias ventriculares, em particular “torsade de pointes” (promovida por hipocalémia). Antes de iniciar o tratamento com esta combinação, verificar a hipocalémia e se necessário, corrigir. Fazer o controlo clínico, controlo plasmático dos eletrólitos e monitorizar o ECG. Devem ser preferidas substâncias que não causem “torsade de pointes” no caso de hipocalémia concomitante. - Mizolastina
Usar com precaução

Xipamida + Pentamidina

Observações: n.d.
Interacções: Precauções particulares têm de ser tomadas com as seguintes associações: Substâncias que induzem a “torsade de pointes” (excluindo sultopride) Antiarrítmicos da classe Ia (ex: quinidina, hidroquinidina, disopiramide), Antiarrítmicos da classe III (ex: amidarona, sotalol, dofetilide, ibutilide), Antipsicóticos específicos: fenotiazina (ex: clorpromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamida (ex: amisulpride, sulpiride, tiapride), butirofenones (ex: droperidol, haloperidol), Outros: bepridil, cisapride, difemanil, eritromicina I.V., halofantrina, mizolastina, pentamidina, sparfloxacina, mixofloxacina, vincamina I.V. Risco aumentado de arritmias ventriculares, em particular “torsade de pointes” (promovida por hipocalémia). Antes de iniciar o tratamento com esta combinação, verificar a hipocalémia e se necessário, corrigir. Fazer o controlo clínico, controlo plasmático dos eletrólitos e monitorizar o ECG. Devem ser preferidas substâncias que não causem “torsade de pointes” no caso de hipocalémia concomitante. - Pentamidina
Usar com precaução

Xipamida + Halofantrina

Observações: n.d.
Interacções: Precauções particulares têm de ser tomadas com as seguintes associações: Substâncias que induzem a “torsade de pointes” (excluindo sultopride) Antiarrítmicos da classe Ia (ex: quinidina, hidroquinidina, disopiramide), Antiarrítmicos da classe III (ex: amidarona, sotalol, dofetilide, ibutilide), Antipsicóticos específicos: fenotiazina (ex: clorpromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamida (ex: amisulpride, sulpiride, tiapride), butirofenones (ex: droperidol, haloperidol), Outros: bepridil, cisapride, difemanil, eritromicina I.V., halofantrina, mizolastina, pentamidina, sparfloxacina, mixofloxacina, vincamina I.V. Risco aumentado de arritmias ventriculares, em particular “torsade de pointes” (promovida por hipocalémia). Antes de iniciar o tratamento com esta combinação, verificar a hipocalémia e se necessário, corrigir. Fazer o controlo clínico, controlo plasmático dos eletrólitos e monitorizar o ECG. Devem ser preferidas substâncias que não causem “torsade de pointes” no caso de hipocalémia concomitante. - Halofantrina
Usar com precaução

Xipamida + Esparfloxacina

Observações: n.d.
Interacções: Precauções particulares têm de ser tomadas com as seguintes associações: Substâncias que induzem a “torsade de pointes” (excluindo sultopride) Antiarrítmicos da classe Ia (ex: quinidina, hidroquinidina, disopiramide), Antiarrítmicos da classe III (ex: amidarona, sotalol, dofetilide, ibutilide), Antipsicóticos específicos: fenotiazina (ex: clorpromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamida (ex: amisulpride, sulpiride, tiapride), butirofenones (ex: droperidol, haloperidol), Outros: bepridil, cisapride, difemanil, eritromicina I.V., halofantrina, mizolastina, pentamidina, sparfloxacina, mixofloxacina, vincamina I.V. Risco aumentado de arritmias ventriculares, em particular “torsade de pointes” (promovida por hipocalémia). Antes de iniciar o tratamento com esta combinação, verificar a hipocalémia e se necessário, corrigir. Fazer o controlo clínico, controlo plasmático dos eletrólitos e monitorizar o ECG. Devem ser preferidas substâncias que não causem “torsade de pointes” no caso de hipocalémia concomitante. - Esparfloxacina
Usar com precaução

Xipamida + Vincamina

Observações: n.d.
Interacções: Precauções particulares têm de ser tomadas com as seguintes associações: Substâncias que induzem a “torsade de pointes” (excluindo sultopride) Antiarrítmicos da classe Ia (ex: quinidina, hidroquinidina, disopiramide), Antiarrítmicos da classe III (ex: amidarona, sotalol, dofetilide, ibutilide), Antipsicóticos específicos: fenotiazina (ex: clorpromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamida (ex: amisulpride, sulpiride, tiapride), butirofenones (ex: droperidol, haloperidol), Outros: bepridil, cisapride, difemanil, eritromicina I.V., halofantrina, mizolastina, pentamidina, sparfloxacina, mixofloxacina, vincamina I.V. Risco aumentado de arritmias ventriculares, em particular “torsade de pointes” (promovida por hipocalémia). Antes de iniciar o tratamento com esta combinação, verificar a hipocalémia e se necessário, corrigir. Fazer o controlo clínico, controlo plasmático dos eletrólitos e monitorizar o ECG. Devem ser preferidas substâncias que não causem “torsade de pointes” no caso de hipocalémia concomitante. - Vincamina
Usar com precaução

Xipamida + Moxifloxacina

Observações: n.d.
Interacções: Precauções particulares têm de ser tomadas com as seguintes associações: Substâncias que induzem a “torsade de pointes” (excluindo sultopride) Antiarrítmicos da classe Ia (ex: quinidina, hidroquinidina, disopiramide), Antiarrítmicos da classe III (ex: amidarona, sotalol, dofetilide, ibutilide), Antipsicóticos específicos: fenotiazina (ex: clorpromazina, ciamemazina, levomepromazina, tioridazina, trifluoperazina), benzamida (ex: amisulpride, sulpiride, tiapride), butirofenones (ex: droperidol, haloperidol), Outros: bepridil, cisapride, difemanil, eritromicina I.V., halofantrina, mizolastina, pentamidina, sparfloxacina, mixofloxacina, vincamina I.V. Risco aumentado de arritmias ventriculares, em particular “torsade de pointes” (promovida por hipocalémia). Antes de iniciar o tratamento com esta combinação, verificar a hipocalémia e se necessário, corrigir. Fazer o controlo clínico, controlo plasmático dos eletrólitos e monitorizar o ECG. Devem ser preferidas substâncias que não causem “torsade de pointes” no caso de hipocalémia concomitante. - Moxifloxacina
Usar com precaução

Xipamida + Anti-inflamatórios não esteróides (AINEs)

Observações: n.d.
Interacções: Precauções particulares têm de ser tomadas com as seguintes associações: Anti-inflamatórios não esteroides (sistémicos) incluindo inibidores seletivos COX2, altas doses de ácido salicílico (>3 g/dia): Possível redução do efeito anti-hipertensivo da xipamida. O risco de insuficiência renal aguda no caso de desidratação (diminuição da filtração glomérular). Um suficiente aporte de fluído tem de ser assegurado e a função renal deve ser controlada no início da terapêutica. A ingestão de altas doses de salicilato pode intensificar o efeito tóxico do salicilato no sistema nervoso central. - Anti-inflamatórios não esteróides (AINEs)
Usar com precaução

Xipamida + Inibidores da cicloxigenase (COX)

Observações: n.d.
Interacções: Precauções particulares têm de ser tomadas com as seguintes associações: Anti-inflamatórios não esteroides (sistémicos) incluindo inibidores seletivos COX2, altas doses de ácido salicílico (>3 g/dia): Possível redução do efeito anti-hipertensivo da xipamida. O risco de insuficiência renal aguda no caso de desidratação (diminuição da filtração glomérular). Um suficiente aporte de fluído tem de ser assegurado e a função renal deve ser controlada no início da terapêutica. A ingestão de altas doses de salicilato pode intensificar o efeito tóxico do salicilato no sistema nervoso central. - Inibidores da cicloxigenase (COX)
Usar com precaução

Xipamida + Ácido Acetilsalicílico

Observações: n.d.
Interacções: Precauções particulares têm de ser tomadas com as seguintes associações: Anti-inflamatórios não esteroides (sistémicos) incluindo inibidores seletivos COX2, altas doses de ácido salicílico (>3 g/dia): Possível redução do efeito anti-hipertensivo da xipamida. O risco de insuficiência renal aguda no caso de desidratação (diminuição da filtração glomérular). Um suficiente aporte de fluído tem de ser assegurado e a função renal deve ser controlada no início da terapêutica. A ingestão de altas doses de salicilato pode intensificar o efeito tóxico do salicilato no sistema nervoso central. - Ácido Acetilsalicílico
Usar com precaução

Xipamida + Inibidores da Enzima de Conversão da Angiotensina (IECAS)

Observações: n.d.
Interacções: Precauções particulares têm de ser tomadas com as seguintes associações: Inibidores ECA: Risco duma quebra acentuada da pressão sanguínea e/ou insuficiência renal aguda no início da terapêutica com inibidores da ECA em doentes com deficiência pré existente em cálcio (em particular com estenose da artéria renal). - Inibidores da Enzima de Conversão da Angiotensina (IECAS)
Usar com precaução

Xipamida + Anfotericina B

Observações: n.d.
Interacções: Precauções particulares têm de ser tomadas com as seguintes associações: Se a deficiência em sódio foi causada pelo tratamento prévio com um diurético anti-hipertensivo, é necessário: Interromper o diurético três dias antes de iniciar o tratamento com inibidores da ECA e, se necessário, utilizar uma substância caliurética adicional ou iniciar o inibidor da ECA com uma dose baixa e ir aumentando subsequentemente a dose. Em doentes com descompensação cardíaca, a dose inicial do inibidor da ECA deve ser muito baixa, se possível após a redução da dose da substância caliurética administrada concomitantemente. Em qualquer grau a função renal (determinação da creatinina sérica) deve ser controlada nas primeiras semanas de tratamento com um inibidor da ECA. Outras substâncias com diminuição do efeito nos níveis de potássio: Anfotericina B (I.V.) Gluco- e mineralocorticóides (sistémicos) Tetracosactide Laxantes estimulantes Risco aumentado de hipocalémia (efeito aditivo) Controlar e se necessário corrigir os níveis plasmáticos de potássio; tem de ser seguido em particular em doentes tratados com glicosidos cardíacos. As seguintes associações podem causar interacções: Diuréticos caliuréticos (ex: furosemida), glucocorticoides, ACTH, carbenoxolone, penicilina G, anfotericina B ou laxantes: A utilização concomitante de xipamida pode conduzir a um aumento da perda de potássio. - Anfotericina B
Usar com precaução

Xipamida + Mineralocorticoides

Observações: n.d.
Interacções: Precauções particulares têm de ser tomadas com as seguintes associações: Se a deficiência em sódio foi causada pelo tratamento prévio com um diurético anti-hipertensivo, é necessário: Interromper o diurético três dias antes de iniciar o tratamento com inibidores da ECA e, se necessário, utilizar uma substância caliurética adicional ou iniciar o inibidor da ECA com uma dose baixa e ir aumentando subsequentemente a dose. Em doentes com descompensação cardíaca, a dose inicial do inibidor da ECA deve ser muito baixa, se possível após a redução da dose da substância caliurética administrada concomitantemente. Em qualquer grau a função renal (determinação da creatinina sérica) deve ser controlada nas primeiras semanas de tratamento com um inibidor da ECA. Outras substâncias com diminuição do efeito nos níveis de potássio: Anfotericina B (I.V.) Gluco- e mineralocorticóides (sistémicos) Tetracosactide Laxantes estimulantes Risco aumentado de hipocalémia (efeito aditivo) Controlar e se necessário corrigir os níveis plasmáticos de potássio; tem de ser seguido em particular em doentes tratados com glicosidos cardíacos. - Mineralocorticoides
Usar com precaução

Xipamida + Tetracosactido

Observações: n.d.
Interacções: Precauções particulares têm de ser tomadas com as seguintes associações: Se a deficiência em sódio foi causada pelo tratamento prévio com um diurético anti-hipertensivo, é necessário: Interromper o diurético três dias antes de iniciar o tratamento com inibidores da ECA e, se necessário, utilizar uma substância caliurética adicional ou iniciar o inibidor da ECA com uma dose baixa e ir aumentando subsequentemente a dose. Em doentes com descompensação cardíaca, a dose inicial do inibidor da ECA deve ser muito baixa, se possível após a redução da dose da substância caliurética administrada concomitantemente. Em qualquer grau a função renal (determinação da creatinina sérica) deve ser controlada nas primeiras semanas de tratamento com um inibidor da ECA. Outras substâncias com diminuição do efeito nos níveis de potássio: Anfotericina B (I.V.) Gluco- e mineralocorticóides (sistémicos) Tetracosactide Laxantes estimulantes Risco aumentado de hipocalémia (efeito aditivo) Controlar e se necessário corrigir os níveis plasmáticos de potássio; tem de ser seguido em particular em doentes tratados com glicosidos cardíacos. As seguintes associações podem causar interacções: Corticoides, tetracosactide (sistémico): Redução do efeito antihipertensivo (retenção de sódio e água pelos corticóides). - Tetracosactido
Usar com precaução

Xipamida + Laxantes

Observações: n.d.
Interacções: Precauções particulares têm de ser tomadas com as seguintes associações: Se a deficiência em sódio foi causada pelo tratamento prévio com um diurético anti-hipertensivo, é necessário: Interromper o diurético três dias antes de iniciar o tratamento com inibidores da ECA e, se necessário, utilizar uma substância caliurética adicional ou iniciar o inibidor da ECA com uma dose baixa e ir aumentando subsequentemente a dose. Em doentes com descompensação cardíaca, a dose inicial do inibidor da ECA deve ser muito baixa, se possível após a redução da dose da substância caliurética administrada concomitantemente. Em qualquer grau a função renal (determinação da creatinina sérica) deve ser controlada nas primeiras semanas de tratamento com um inibidor da ECA. Outras substâncias com diminuição do efeito nos níveis de potássio: Anfotericina B (I.V.) Gluco- e mineralocorticóides (sistémicos) Tetracosactide Laxantes estimulantes Risco aumentado de hipocalémia (efeito aditivo) Controlar e se necessário corrigir os níveis plasmáticos de potássio; tem de ser seguido em particular em doentes tratados com glicosidos cardíacos. As seguintes associações podem causar interacções: Diuréticos caliuréticos (ex: furosemida), glucocorticoides, ACTH, carbenoxolone, penicilina G, anfotericina B ou laxantes: A utilização concomitante de xipamida pode conduzir a um aumento da perda de potássio. - Laxantes
Usar com precaução

Xipamida + Baclofeno

Observações: n.d.
Interacções: Precauções particulares têm de ser tomadas com as seguintes associações: Baclofeno: Intensificação do efeito anti-hipertensivo. Um aporte suficiente de fluído tem de ser assegurado e a função renal deve ser controlada no início do tratamento. - Baclofeno
Usar com precaução

Xipamida + Glicosídeos cardiotónicos (cardíacos)

Observações: n.d.
Interacções: Precauções particulares têm de ser tomadas com as seguintes associações: Glicosidos cardíacos: Hipocalémia e/ou hipomagnesémia que intensificam os efeitos tóxicos dos glicosidos digitálicos; controlar os níveis plasmáticos de potássio e monitorizar o ECG. Se necessário ajustar a terapêutica. - Glicosídeos cardiotónicos (cardíacos)
Usar com precaução

Xipamida + Aminoglicosídeos

Observações: n.d.
Interacções: Precauções particulares têm de ser tomadas com as seguintes associações: Aminoglicosidos (parental): Risco aumentado de ototoxicidade e nefrotoxicidade dos aminoglicisidos (insuficiência renal funcional relacionada com desidratação induzida por diuréticos). Tratamento concomitante é possível com monitorização do estado de hidratação e funções renal e cocleovestibular e possíveis concentrações plasmáticas de aminoglicosidos. - Aminoglicosídeos
Usar com precaução

Xipamida + Fenitoína

Observações: n.d.
Interacções: Precauções particulares têm de ser tomadas com as seguintes associações: Fenitoína (por extrapolação da fosfenitoína): Até 50% de redução do efeito diurético. Podem ser necessárias doses mais altas do diurético. - Fenitoína
Usar com precaução

Xipamida + Carbamazepina

Observações: n.d.
Interacções: Precauções particulares têm de ser tomadas com as seguintes associações: Carbamazepina: Risco de hiponatrémia sintomática. - Carbamazepina
Usar com precaução

Xipamida + Diuréticos poupadores de potássio

Observações: n.d.
Interacções: Precauções particulares têm de ser tomadas com as seguintes associações: Diuréticos poupadores de potássio (amiloride, espirolactona, triamtereno): Embora estas associações possam ser apropriadas para certos doentes, pode ocorrer hipocalémia ou hipercalémia (particularmente em doentes com insuficiência renal ou diabetes). Controlar dos níveis plasmáticos de potássio e ECG, se necessário ajustar a dose. - Diuréticos poupadores de potássio
Usar com precaução

Xipamida + Amilorida

Observações: n.d.
Interacções: Precauções particulares têm de ser tomadas com as seguintes associações: Diuréticos poupadores de potássio (amiloride, espirolactona, triamtereno): Embora estas associações possam ser apropriadas para certos doentes, pode ocorrer hipocalémia ou hipercalémia (particularmente em doentes com insuficiência renal ou diabetes). Controlar dos níveis plasmáticos de potássio e ECG, se necessário ajustar a dose. - Amilorida
Usar com precaução

Xipamida + Triamtereno

Observações: n.d.
Interacções: Precauções particulares têm de ser tomadas com as seguintes associações: Diuréticos poupadores de potássio (amiloride, espirolactona, triamtereno): Embora estas associações possam ser apropriadas para certos doentes, pode ocorrer hipocalémia ou hipercalémia (particularmente em doentes com insuficiência renal ou diabetes). Controlar dos níveis plasmáticos de potássio e ECG, se necessário ajustar a dose. - Triamtereno
Usar com precaução

Xipamida + Espironolactona

Observações: n.d.
Interacções: Precauções particulares têm de ser tomadas com as seguintes associações: Diuréticos poupadores de potássio (amiloride, espirolactona, triamtereno): Embora estas associações possam ser apropriadas para certos doentes, pode ocorrer hipocalémia ou hipercalémia (particularmente em doentes com insuficiência renal ou diabetes). Controlar dos níveis plasmáticos de potássio e ECG, se necessário ajustar a dose. - Espironolactona
Usar com precaução

Xipamida + Metformina

Observações: n.d.
Interacções: Precauções particulares têm de ser tomadas com as seguintes associações: Metformina: Risco aumentado de acidose láctica induzida pela metformina, devido a uma possível insuficiência renal relacionada com a terapêutica diurética, particularmente com diuréticos da ansa. Portanto, a metformina não deve ser utilizada se os níveis séricos de creatinina excedem 15 mg/l (135 micromol/l) no homem e 12 mg/l (110 micromol/l) na mulher. - Metformina
Usar com precaução

Xipamida + Agentes/Meios de Contraste

Observações: n.d.
Interacções: Precauções particulares têm de ser tomadas com as seguintes associações: Meios de contraste contendo iodo: A utilização de meios de contraste contendo iodo (particularmente em altas doses) aumenta o risco de insuficiência renal aguda nos casos de desidratação causada por diuréticos. Re-hidratar antes da administração de meios de contraste com iodo. - Agentes/Meios de Contraste
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Xipamida + Furosemida

Observações: n.d.
Interacções: As seguintes associações podem causar interacções: Diuréticos caliuréticos (ex: furosemida), glucocorticoides, ACTH, carbenoxolone, penicilina G, anfotericina B ou laxantes: A utilização concomitante de xipamida pode conduzir a um aumento da perda de potássio. - Furosemida
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Xipamida + Glucocorticoides

Observações: n.d.
Interacções: As seguintes associações podem causar interacções: Diuréticos caliuréticos (ex: furosemida), glucocorticoides, ACTH, carbenoxolone, penicilina G, anfotericina B ou laxantes: A utilização concomitante de xipamida pode conduzir a um aumento da perda de potássio. - Glucocorticoides
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Xipamida + Hormona adrenocorticotrófica (ACTH)

Observações: n.d.
Interacções: As seguintes associações podem causar interacções: Diuréticos caliuréticos (ex: furosemida), glucocorticoides, ACTH, carbenoxolone, penicilina G, anfotericina B ou laxantes: A utilização concomitante de xipamida pode conduzir a um aumento da perda de potássio. - Hormona adrenocorticotrófica (ACTH)
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Xipamida + Carbenoxolona

Observações: n.d.
Interacções: As seguintes associações podem causar interacções: Diuréticos caliuréticos (ex: furosemida), glucocorticoides, ACTH, carbenoxolone, penicilina G, anfotericina B ou laxantes: A utilização concomitante de xipamida pode conduzir a um aumento da perda de potássio. - Carbenoxolona
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Xipamida + Benzilpenicilina

Observações: n.d.
Interacções: As seguintes associações podem causar interacções: Diuréticos caliuréticos (ex: furosemida), glucocorticoides, ACTH, carbenoxolone, penicilina G, anfotericina B ou laxantes: A utilização concomitante de xipamida pode conduzir a um aumento da perda de potássio. - Benzilpenicilina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Xipamida + Imipramina

Observações: n.d.
Interacções: As seguintes associações podem causar interacções: Antidepressivos tricíclicos (tipo imipramine), neurolépticos: Efeito antidepressivo e risco aumentado de hipotensão ortostática (efeito aditivo). - Imipramina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Xipamida + Neurolépticos

Observações: n.d.
Interacções: As seguintes associações podem causar interacções: Antidepressivos tricíclicos (tipo imipramine), neurolépticos: Efeito antidepressivo e risco aumentado de hipotensão ortostática (efeito aditivo). - Neurolépticos
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Xipamida + Amifostina

Observações: n.d.
Interacções: As seguintes associações podem causar interacções: Amifostine: Potencia o efeito anti-hipertensivo. - Amifostina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Xipamida + Medicamentos usados na retenção urinária

Observações: n.d.
Interacções: As seguintes associações podem causar interacções: Alfa bloqueadores urológicos (alfuzosina, doxazosina, prazosina, tansulosina, terazosina) e anti-hipertensivos alfa-bloqueadores. Aumentam o efeito anti-hipertensivo. Risco de hipotensão ortostática grave. - Medicamentos usados na retenção urinária
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Xipamida + Alfuzosina

Observações: n.d.
Interacções: As seguintes associações podem causar interacções: Alfa bloqueadores urológicos (alfuzosina, doxazosina, prazosina, tansulosina, terazosina) e anti-hipertensivos alfa-bloqueadores. Aumentam o efeito anti-hipertensivo. Risco de hipotensão ortostática grave. - Alfuzosina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Xipamida + Doxazosina

Observações: n.d.
Interacções: As seguintes associações podem causar interacções: Alfa bloqueadores urológicos (alfuzosina, doxazosina, prazosina, tansulosina, terazosina) e anti-hipertensivos alfa-bloqueadores. Aumentam o efeito anti-hipertensivo. Risco de hipotensão ortostática grave. - Doxazosina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Xipamida + Tansulosina

Observações: n.d.
Interacções: As seguintes associações podem causar interacções: Alfa bloqueadores urológicos (alfuzosina, doxazosina, prazosina, tansulosina, terazosina) e anti-hipertensivos alfa-bloqueadores. Aumentam o efeito anti-hipertensivo. Risco de hipotensão ortostática grave. - Tansulosina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Xipamida + Terazosina

Observações: n.d.
Interacções: As seguintes associações podem causar interacções: Alfa bloqueadores urológicos (alfuzosina, doxazosina, prazosina, tansulosina, terazosina) e anti-hipertensivos alfa-bloqueadores. Aumentam o efeito anti-hipertensivo. Risco de hipotensão ortostática grave. - Terazosina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Xipamida + Prazosina

Observações: n.d.
Interacções: As seguintes associações podem causar interacções: Alfa bloqueadores urológicos (alfuzosina, doxazosina, prazosina, tansulosina, terazosina) e anti-hipertensivos alfa-bloqueadores. Aumentam o efeito anti-hipertensivo. Risco de hipotensão ortostática grave. - Prazosina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Xipamida + Platina

Observações: n.d.
Interacções: As seguintes associações podem causar interacções: Sais de platina: Risco aditivo de ototoxicidade e efeitos nefrotóxicos. - Platina
Usar com precaução

Xipamida + Cálcio

Observações: n.d.
Interacções: As seguintes associações podem causar interacções: Cálcio (sais): Risco de hipercalcémia por redução da excreção de cálcio pela urina. - Cálcio
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Xipamida + Ciclosporina

Observações: n.d.
Interacções: As seguintes associações podem causar interacções: Ciclosporina, tacrolimus: Mesmo com equilíbrio sódio-água normal, risco aumentado dos níveis de creatinina no soro sem alteração dos níveis circulatórios de ciclosporina. - Ciclosporina
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Xipamida + Tacrolímus

Observações: n.d.
Interacções: As seguintes associações podem causar interacções: Ciclosporina, tacrolimus: Mesmo com equilíbrio sódio-água normal, risco aumentado dos níveis de creatinina no soro sem alteração dos níveis circulatórios de ciclosporina. - Tacrolímus
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Xipamida + Corticosteroides

Observações: n.d.
Interacções: As seguintes associações podem causar interacções: Corticoides, tetracosactide (sistémico): Redução do efeito antihipertensivo (retenção de sódio e água pelos corticóides). - Corticosteroides
Usar com precaução

Xipamida + Citotóxicos

Observações: n.d.
Interacções: As seguintes associações podem causar interacções: Citostáticos (ex: ciclofosfamida, fluorouracilo, metotrexato): Risco de toxicidade medular aumentada, particularmente a redução dos granulócitos. - Citotóxicos
Usar com precaução

Xipamida + Ciclofosfamida

Observações: n.d.
Interacções: As seguintes associações podem causar interacções: Citostáticos (ex: ciclofosfamida, fluorouracilo, metotrexato): Risco de toxicidade medular aumentada, particularmente a redução dos granulócitos. - Ciclofosfamida
Usar com precaução

Xipamida + Fluorouracilo

Observações: n.d.
Interacções: As seguintes associações podem causar interacções: Citostáticos (ex: ciclofosfamida, fluorouracilo, metotrexato): Risco de toxicidade medular aumentada, particularmente a redução dos granulócitos. - Fluorouracilo
Usar com precaução

Xipamida + Metotrexato

Observações: n.d.
Interacções: As seguintes associações podem causar interacções: Citostáticos (ex: ciclofosfamida, fluorouracilo, metotrexato): Risco de toxicidade medular aumentada, particularmente a redução dos granulócitos. - Metotrexato
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Xipamida + Colestipol

Observações: n.d.
Interacções: As seguintes associações podem causar interacções: Colestipol e colestiramina: A absorção da xipamida é presumivelmente reduzida. - Colestipol
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Xipamida + Relaxantes musculares

Observações: n.d.
Interacções: As seguintes associações podem causar interacções: Relaxantes musculares tipo curare: Efeito intensificado e prolongado. - Relaxantes musculares
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Xipamida + Colestiramina

Observações: n.d.
Interacções: As seguintes associações podem causar interacções: Colestipol e colestiramina: A absorção da xipamida é presumivelmente reduzida. - Colestiramina
Identificação dos símbolos utilizados na descrição das Interacções da Xipamida
Informação revista e atualizada pela equipa técnica do INDICE.EU em: 05 de Março de 2021