Similares Químicos

Produtos com a mesma molécula e do mesmo Grupo Terapêutico

Similares Terapêuticos

Produtos do mesmo Grupo Terapêutico

BACTRIM FORTE

Sulfametoxazol + Trimetoprim

ROCHE
Medicamento com Advertência na Gravidez Medicamento com Advertência no Aleitamento Medicamento com Advertência na Insuficiência Hepática Medicamento Sujeito a Receita Médica (MSRM) Clique para ver o Resumo de Grupo: BACTRIM FORTE
O que é
Cotrimoxazol é um fármaco usado no tratamento de uma variedade de infeções bacterianas, fúngicas e por protozoários, que está composto por trimetoprim e sulfametoxazol (em uma relação de 1:5), dois antibióticos que são terapeuticamente sinergéticos.

A combinação sulfametoxazol e trimetoprim é um antibiótico.

Funciona, eliminando as bactérias que causam vários tipos de infecções.

Sulfametoxazol / trimetoprim não funciona com constipações, gripe, ou outras infeções virais.
Usos comuns
Sulfametoxazol e trimetoprim é usado no tratamento de infeções, tais como infeções do trato urinário, infeções do ouvido médio (otite média), bronquites, diarreia do viajante, e shigelose (disenteria bacilar).

Trimetoprim / sulfametoxazol também é utilizado para prevenir ou tratar pneumonia por Pneumocystis jiroveci ou pneumonia por Pneumocystis carinii (PCP), um tipo muito grave de pneumonia.

Este tipo de pneumonia ocorre mais comumente em pacientes cujo sistema imunológico não está funcionando normalmente, como pacientes com cancro, pacientes transplantados e pacientes com síndrome da imunodeficiência adquirida (SIDA).
Tipo
Sem informação.
Indicações
Está indicado no tratamento das seguintes infeções:

Infeções das vias respiratórias superiores e inferiores:
- tratamento da otite média aguda
- tratamento de exacerbações agudas da bronquite crónica
- tratamento e profilaxia de pneumonia por Pneumocystis jirovecii;

Infeções das vias urinárias:
- tratamento das infeções agudas não complicadas das vias urinárias, cistite aguda e pielonefrite aguda;
- profilaxia de infeções urinárias recorrentes;

Infeções do aparelho genital:
- tratamento do granuloma inguinal (a terapêutica recomendada poderá ser menos eficaz em algumas localizações geográficas, devido ao desenvolvimento de microrganismos resistentes)
- tratamento da prostatite bacteriana aguda e crónica.

Infeções do trato gastrointestinal:
- tratamento da diarreia do viajante
- tratamento da febre tifoide
- tratamento da shigelose e gastrenterite por Salmonella
- tratamento da cólera, como suplemento da reposição hidro-eletrolítica, quando o microrganismo infetante apresentar suscetibilidade in vitro.

Outras infeções:
- tratamento da nocardiose.
Classificação CFT
01.01.09 : Sulfonamidas e suas associações
Mecanismo de ação
Sulfametoxazol e trimetoprim é um medicamento antibacteriano.

O sulfametoxazol é um inibidor competitivo da enzima dihidropteroato sintetase.

O sulfametoxazol inibe competitivamente a utilização do ácido para-aminobenzóico (PABA), composto usado pela célula bacteriana para a síntese de dihidrofolato, resultando num efeito bacteriostático.


O trimetoprim liga-se e inibe de forma reversível à dihidrofolato reductase (DHFR) bacteriana e bloqueia a produção de tetrahidrofolato.

Dependendo das condições, este efeito pode ser bactericida.


Assim, o trimetoprim e o sulfametoxazol bloqueiam duas fases consecutivas da biossíntese das purinas e, portanto, dos ácidos nucleicos essenciais a muitas bactérias.

Este mecanismo de ação induz uma potenciação da atividade in vitro dos dois fármacos.


O trimetoprim liga-se à DHRF do plasmódio mas com menor afinidade do que à enzima bacteriana.

A sua afinidade para a enzima DHFR dos mamíferos é cerca de 50.000 vezes inferior à afinidade para a DHFR bacteriana.
Posologia orientativa
Comprimidos:
A posologia habitual para adultos e crianças com mais de 12 anos de idade:
Posologia habitual: 1 comprimido de manhã e 1 comprimido á noite.
Posologia mínima e posologia para tratamentos prolongados (mais de 14 dias): ½ comprimido de manhã e ½ comprimido á noite.
Posologia elevada (para casos graves): 1+1/2 comprimido de manhã e 1+1/2 comprimido à noite.

Xarope:
A posologia habitual para adultos e crianças com mais de 12 anos de idade:
Posologia habitual: 4 medidas de xarope de manhã e 4 medidas de xarope à noite
Posologia mínima e posologia para tratamentos prolongados (mais de 14 dias): 2 medidas de xarope de manhã e 2 medidas de xarope à noite
Posologia elevada (para casos graves): 6 medidas de xarope de manhã e 6 medidas de xarope à noite

Injetável:
Infeções agudas:
Adultos e crianças com idade superior a 12 anos:
Posologia padrão: 2 ampolas (10 ml), de 12 em 12 horas.
Crianças com idade igual ou inferior a 12 anos:
A posologia recomendada é de aproximadamente 6 mg de trimetoprim e 30 mg de sulfametoxazol por kg de peso corporal, por dia, administrados em 2 doses iguais.
Administração
Recomenda-se a administração de após as refeições. Deglutir os comprimidos com a ajuda de água.

Sulfametoxazol / Trimetoprim solução para perfusão destina-se a ser administrado APENAS por via intravenosa e deve ser diluído previamente à administração.
A duração da perfusão deve ser de aproximadamente 1 a 1,5 horas, de acordo com a necessidade do doente em aporte de fluidos.

Xarope: Agitar fortemente e deglutir o xarope, após as refeições, com o auxílio da colher-medida inclusa.
Contraindicações
- Hipersensibilidade às sulfonamidas, hipersensibilidade ao trimetoprim e
substâncias aparentadas (análogos de trimetoprim, por ex. tetroxoprim);

- Eritema exsudativo multiforme;

- Alterações hematológicas graves (trombocitopenia, granulocitopenia, anemia megaloblástica);

- Insuficiência renal grave (depuração de creatinina abaixo de 15 ml/min);

- Insuficiência hepática grave;

- Porfíria aguda; - Prematuros ou recém-nascidos de termo no período neonatal.
Efeitos indesejáveis/adversos
Os efeitos secundários mais comuns são o exantema e as perturbações gastrointestinais.

Se ocorrer algum dos seguintes efeitos, deve interromper o tratamento:

Efeitos secundários muito raros:
- Eritema multiforme, erupção medicamentosa com eosinofilia e sintomas sistémicos (DRESS), púrpura e púrpura de Henoch-Schoenlein.

- Foram notificadas erupções cutâneas potencialmente perigosas para a vida
(síndrome de Stevens-Johnson, necrólise epidérmica tóxica (síndroma de Lyell)).

- Reações alérgicas, incluindo febre, edema angioneurótico, reações anafilactóides, hemoconcentração e miocardite alérgica.

- Infiltrados pulmonares, como os que ocorrem na alveolite eosinofílica ou alérgica.

Estes podem manifestar-se por sintomas como tosse e dispneia.

- Colite pseudo-membranosa.

Os seguintes efeitos secundários foram também notificados:

Efeitos secundários frequentes:
- Náuseas (acompanhadas ou não de vómitos).
- Múltiplas reações cutâneas.

Efeitos secundários raros:
- Alteração do número de células sanguíneas (leucopenia, granulocitopenia e trombocitopenia).
- Estomatite, diarreia, glossite.

Efeitos secundários muito raros:
- Infeções fúngicas, como, por exemplo, candidíase.
- Agranulocitose, anemia (megaloblástica, hemolítica/autoimune ou aplástica), meta-hemoglobinemia, pancitopenia.
- Periarterite nodosa.
- Aumento do nível de potássio no sangue. Diminuição do nível de sódio no sangue.

Diminuição do nível de glicose no sangue.
- Alucinações.
- Neuropatia (incluindo nevrite periférica e parestesia), uveíte, meningite asséptica ou sintomas do tipo meníngeo, ataxia, convulsões, vertigens e acufenos.
- Pancreatite aguda.
- Valores elevados das transaminases e da bilirrubina, hepatite, colestase, necrose hepática e estenose do canal biliar.
- Fotossensibilidade.
- Artralgia, mialgia e rabdomiólise.
- Insuficiência renal, nefrite intersticial, valores elevados de uremia BUN, aumento da creatinina sérica, cristalúria e aumento da diurese.
Advertências
Gravidez
Gravidez:
Gravidez:Malformação espinhal. Nocivo para o feto; o risco ultrapassa o benefício e, portanto, está contra-indicado na gravidez. Trimestre: 1º
Aleitamento
Aleitamento:
Aleitamento:Continuar o aleitamento; vigiar o lactente à procura de icterícia; pequeno risco de icterícia nuclear e hemólise nos lactentes com défice G-6-PD (devido ao sulfametoxazol).
Insuf. Hepática
Insuf. Hepática:
Insuf. Hepática:Evitar na IH grave.
Precauções gerais
A administração de deste medicamento deve ser interrompida ao primeiro sinal de erupção cutânea.


Este medicamento deverá ser administrado com precaução em doentes com alergia grave ou asma brônquica.


Embora raras, ocorreram mortes devidas a reações adversas incluindo discrasias sanguíneas, eritema multiforme exsudativo major (síndroma de Stevens-Johnson), necrólise epidérmica tóxica (síndroma de Lyell), erupção medicamentosa com eosinofilia e sintomas sistémicos (DRESS) e necrose hepática fulminante.


Foram notificadas erupções cutâneas graves e potencialmente perigosas para a vida (síndrome de Stevens-Johnson, necrólise epidérmica tóxica) com o uso de sulfametoxazol, manifestando-se inicialmente como lesões avermelhadas com desenho em alvo ou como manchas circulares, frequentemente com bolhas centrais, no tronco.


Sinais adicionais aos quais se deve estar atento incluem úlceras na boca, garganta, nariz, genitais e conjuntivite (olhos vermelhos e inchados).


Estas erupções cutâneas graves e potencialmente fatais são geralmente acompanhadas de sintomas semelhantes à gripe.

A erupção cutânea pode progredir para bolhas ou descamação da pele generalizadas.


O risco de ocorrerem reações cutâneas graves é maior nas primeiras semanas de tratamento.

Se tiver desenvolvido síndrome de Stevens-Johnson ou necrólise epidérmica tóxica com o uso de sulfametoxazol, não deve reiniciar a terapêutica com esta substância ativa em qualquer circunstância.


Se desenvolver erupções cutâneas ou as manifestações cutâneas descritas, pare de tomar este emdicamento, procure aconselhamento urgente de um médico e informe-o de que está a tomar este medicamento.


Recomenda-se precaução especial no tratamento de doentes idosos, dado a sua maior suscetibilidade a reações adversas e maior probabilidade para ocorrência de efeitos adversos graves, e/ou quando coexistem outras complicações, tais como insuficiência renal e/ou hepática e/ou administração concomitante de outros fármacos.

Nestes doentes, o tratamento deve ser o mais curto possível, a fim de reduzir o risco de efeitos secundários.


Devem ser tomadas medidas especiais no tratamento de doentes com insuficiência renal.

Nos doentes cuja função renal esteja perturbada, a posologia deverá ser estabelecida de acordo com as instruções posológicas especiais.


Quando se administra este medicamento por longos períodos de tempo, recomenda-se o controlo regular dos parâmetros hematológicos.

Em caso de diminuição significativa de algum dos elementos figurados do sangue, é necessário suspender o tratamento.

Os doentes que sofrem de perturbações hematológicas graves só devem ser tratados com este medicamento a título excecional.


Recomenda-se precaução especial no tratamento de doentes idosos e de doentes com carência anterior de ácido fólico ou insuficiência renal, devido a poderem ocorrer alterações hematológicas indiciadoras da existência de carência em ácido fólico.


Estas alterações regridem com a administração de ácido folínico.


Nos doentes sob tratamento prolongado com este medicamento (sobretudo se sofrem de insuficiência renal) deve-se proceder regularmente ao exame da urina e da função renal.

Durante o tratamento deve assegurar-se a ingestão adequada de líquidos e uma produção satisfatória de urina, para impedir a ocorrência de cristalúria.


Nos doentes com deficiência em glucose-6-fosfato-desidrogenase (G-6-DP) poderá ocorrer hemólise.

Este medicamento não deve ser administrado a doentes que apresentam carência em glucose-6-fosfato-desidrogenase, exceto em caso de absoluta necessidade e em doses mínimas.


Observou-se uma diminuição no metabolismo da fenilalanina, após administração de trimetoprim, embora não significativa em doentes fenilcetonúricos sujeitos a apropriada restrição dietética.


A colite pseudomembranosa tem sido reportada com o uso de antibióticos de largo espectro, por isso é importante considerar o seu diagnóstico em doentes que desenvolvam diarreia grave durante ou após terapêutica antibiótica.

Em caso de suspeita de colite pseudomembranosa, o cotrimoxazol deve ser interrompido imediatamente e devem ser iniciadas as medidas terapêuticas adequadas.


Este meducamento não é suficientemente ativo nas infeções por Streptococcus beta-hemolíticos do grupo A (amigdalite, faringite, laringite).


Requere-se uma monitorização cuidadosa do potássio sérico em doentes em risco de hipercaliemia.


Tal como acontece com todos os fármacos contendo sulfonamidas, aconselha-se precaução nos doentes com porfiria ou disfunção tiróideia.


Os doentes que são “acetiladores lentos” apresentam uma maior predisposição para
sofrerem reações idiossincráticas às sulfonamidas.
Cuidados com a dieta
Tomar depois das refeições.
Resposta à overdose
Procurar atendimento médico de emergência, ou ligue para o Centro de intoxicações.

Sintomas
A sobredosagem aguda manifesta-se por: náuseas, vómitos, diarreia, cefaleias, vertigens, tonturas, perturbações mentais e visuais.

Nos casos graves, podem também observar-se cristalúria, hematúria e anúria.

Na sobredosagem crónica pode ocorrer depressão da medula óssea, que se manifesta por trombocitopenia ou leucopenia e outras discrasias sanguíneas devidas à carência de ácido folínico.


Tratamento
Em função dos sintomas manifestados, pode considerar-se o recurso às seguintes medidas: prevenção de absorção adicional, aumento da excreção renal por diurese forçada (a alcalinização da urina aumenta a eliminação do sulfametoxazol), hemodiálise (nota: a diálise peritoneal não é eficaz), monitorização das células sanguíneas e dos eletrólitos.

Se se verificar o aparecimento de discrasia sanguínea significativa ou de icterícia, deve instituir-se a terapêutica específica destas complicações.

Pode-se administrar 3-6 mg de folinato de cálcio, por via intramuscular, durante 5-7 dias, para compensar os efeitos do trimetoprim sobre a hematopoiese.
Terapêutica interrompida
Não tome uma dose a dobrar para compensar uma dose que se esqueceu de tomar.


Caso se esqueça de tomar uma dose, deve tomá-la logo que se lembrar.
Cuidados no armazenamento
Manter este medicamento fora da vista e do alcance das crianças.

Comprimidos:
Não conservar acima de 25ºC.
Conservar na embalagem de origem para proteger da luz e humidade.

xarope
Conservar a temperatura inferior a 25ºC.
Conservar na embalagem de origem para proteger da luz e humidade.
Após a primeira abertura do frasco, Bactrim xarope pode ser conservado durante 20 dias à temperatura ambiente (não conservar acima dos 25ºC).

Injetável:
Conservar a temperatura inferior a 30ºC.
Proteger da luz.
Espectro de susceptibilidade e tolerância bacteriológica
Ativo contra cocos Gram-negativos e Gram-positivos, mas com resistência crescente. Pneumocystis carinii (P. jirovecii), Listeria monocytogenes e Moraxella catarrhalis são sensíveis, assim como muitas cepas de Escherichia coli, Proteus sp., Enterobacter sp., Salmonella sp., Shigella sp., Pseudomonas pseudomallei, Serratia sp., Alcaligenes sp., Klebsiella sp., Brucella abortus, Pasteurella haemolytica, Yersinia pseudotuberculosis, Yersinia enterocolitica e Nocardia asteroides. Ativo contra Paracoccidioides brasiliensis. Fármaco de escolha contra Stenotrophomonas maltophilia e Burkholderia cepacia. Não age contra anaeróbios.
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Tacrolímus + Sulfametoxazol + Trimetoprim (Cotrimoxazol)

Observações: n.d.
Interações: Outras interações que originaram efeitos clínicos prejudiciais: O uso concomitante de tacrolímus com medicamentos com efeitos nefrotóxicos ou neurotóxicos conhecidos poderá aumentar os níveis de toxicidade (por exemplo, os aminoglicosidos, os inibidores da girase, a vancomicina, o sulfametoxazol / trimetoprim, os AINEs, o ganciclovir ou o aciclovir).
Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Ácido fólico + Cianocobalamina + Iodo + Sulfametoxazol + Trimetoprim (Cotrimoxazol)

Observações: N.D.
Interações: Foram também registadas interações com outros antiepiléticos, estrógeneos, com a combinação trimetropim/sulfametoxazol, com o uso prolongado de corticosteroides e álcool.

Sulfametoxazol + Trimetoprim + Testes Laboratoriais/Diagnóstico

Observações: N.D.
Interações: Testes laboratoriais: O trimetoprim interfere no doseamento do metotrexato sérico quando utilizado o método competitivo de ligação às proteínas, se nestes testes se utilizar como proteína de ligação a di-hidro-folato-redutase bacteriana. Não foi documentada interferência quando doseado por radioimunoensaio. O trimetoprim pode igualmente interferir no doseamento da creatinina sérica/plasmática quando utilizada a reacção do picrato alcalino, podendo resultar em aumentos de cerca de 10%. Desta forma, pode induzir uma falsa diminuição dos valores estimados para a depuração de creatinina.
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Sulfametoxazol + Trimetoprim + Procainamida

Observações: N.D.
Interações: Na administração simultânea de fármacos que são igualmente excretados por secreção renal activa (por ex. procainamida, amantadina), existe a possibilidade de uma inibição competitiva, a qual poderá conduzir a um aumento da concentração plasmática de um ou de ambos os fármacos.
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Sulfametoxazol + Trimetoprim + Amantadina

Observações: N.D.
Interações: Na administração simultânea de fármacos que são igualmente excretados por secreção renal activa (por ex. procainamida, amantadina), existe a possibilidade de uma inibição competitiva, a qual poderá conduzir a um aumento da concentração plasmática de um ou de ambos os fármacos.
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Sulfametoxazol + Trimetoprim + Anticoagulantes orais

Observações: N.D.
Interações: Foram relatadas as seguintes interações: Efeito aumentado (potenciado) dos anticoagulantes orais (reforço do efeito hipoprotrombinémico dos cumarínicos), antidiabéticos orais do grupo das sulfonilureias, difenilhidantoína (fenitoína), metotrexato e barbitúricos de acção curta de administração intravenosa (por ex. tiopental) assim como um aumento dos níveis de digoxina, no caso de doentes mais idosos;
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Sulfametoxazol + Trimetoprim + Sulfonilureias

Observações: N.D.
Interações: Foram relatadas as seguintes interações: Efeito aumentado (potenciado) dos anticoagulantes orais (reforço do efeito hipoprotrombinémico dos cumarínicos), antidiabéticos orais do grupo das sulfonilureias, difenilhidantoína (fenitoína), metotrexato e barbitúricos de acção curta de administração intravenosa (por ex. tiopental) assim como um aumento dos níveis de digoxina, no caso de doentes mais idosos;
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Sulfametoxazol + Trimetoprim + Fenitoína

Observações: N.D.
Interações: Foram relatadas as seguintes interações: Efeito aumentado (potenciado) dos anticoagulantes orais (reforço do efeito hipoprotrombinémico dos cumarínicos), antidiabéticos orais do grupo das sulfonilureias, difenilhidantoína (fenitoína), metotrexato e barbitúricos de acção curta de administração intravenosa (por ex. tiopental) assim como um aumento dos níveis de digoxina, no caso de doentes mais idosos;
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Sulfametoxazol + Trimetoprim + Metotrexato

Observações: N.D.
Interações: Foram relatadas as seguintes interações: Efeito aumentado (potenciado) dos anticoagulantes orais (reforço do efeito hipoprotrombinémico dos cumarínicos), antidiabéticos orais do grupo das sulfonilureias, difenilhidantoína (fenitoína), metotrexato e barbitúricos de acção curta de administração intravenosa (por ex. tiopental) assim como um aumento dos níveis de digoxina, no caso de doentes mais idosos; aumento da incidência de carência de ácido fólico por administração concomitante de outros antagonistas do ácido fólico (por ex. metotrexato).
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Sulfametoxazol + Trimetoprim + Barbitúricos

Observações: N.D.
Interações: Foram relatadas as seguintes interações: Efeito aumentado (potenciado) dos anticoagulantes orais (reforço do efeito hipoprotrombinémico dos cumarínicos), antidiabéticos orais do grupo das sulfonilureias, difenilhidantoína (fenitoína), metotrexato e barbitúricos de acção curta de administração intravenosa (por ex. tiopental) assim como um aumento dos níveis de digoxina, no caso de doentes mais idosos; toxicidade aumentada do cotrimoxazol com a administração de ácido p-aminosalicílico, barbitúricos ou primidona;
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Sulfametoxazol + Trimetoprim + Tiopental sódico

Observações: N.D.
Interações: Foram relatadas as seguintes interações: Efeito aumentado (potenciado) dos anticoagulantes orais (reforço do efeito hipoprotrombinémico dos cumarínicos), antidiabéticos orais do grupo das sulfonilureias, difenilhidantoína (fenitoína), metotrexato e barbitúricos de acção curta de administração intravenosa (por ex. tiopental) assim como um aumento dos níveis de digoxina, no caso de doentes mais idosos;
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Sulfametoxazol + Trimetoprim + Digoxina

Observações: N.D.
Interações: Foram relatadas as seguintes interações: Efeito aumentado (potenciado) dos anticoagulantes orais (reforço do efeito hipoprotrombinémico dos cumarínicos), antidiabéticos orais do grupo das sulfonilureias, difenilhidantoína (fenitoína), metotrexato e barbitúricos de acção curta de administração intravenosa (por ex. tiopental) assim como um aumento dos níveis de digoxina, no caso de doentes mais idosos;
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Sulfametoxazol + Trimetoprim + Antiácidos

Observações: N.D.
Interações: Foram relatadas as seguintes interações: redução da actividade do cotrimoxazol na administração simultânea de antiácidos minerais, paraldeído e derivados do ácido para-aminobenzóico (por ex. benzocaína, procaína e tetracaína);
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Sulfametoxazol + Trimetoprim + Paraldeído

Observações: N.D.
Interações: Foram relatadas as seguintes interações: redução da actividade do cotrimoxazol na administração simultânea de antiácidos minerais, paraldeído e derivados do ácido para-aminobenzóico (por ex. benzocaína, procaína e tetracaína);
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Sulfametoxazol + Trimetoprim + Ácido 4-aminobenzoico (Ácido para-aminobenzóico)

Observações: N.D.
Interações: Foram relatadas as seguintes interações: redução da actividade do cotrimoxazol na administração simultânea de antiácidos minerais, paraldeído e derivados do ácido para-aminobenzóico (por ex. benzocaína, procaína e tetracaína);

Ritonavir + Sulfametoxazol + Trimetoprim (Cotrimoxazol)

Observações: n.d.
Interações: Efeitos do Ritonavir nos Medicamentos Não Antirretrovirais Coadministrados: Sulfametoxazol/Trimetoprim: Não deverá ser necessária alteração na dose de sulfametoxazol/trimetoprim durante o tratamento concomitante com ritonavir.
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Sulfametoxazol + Trimetoprim + Benzocaína

Observações: N.D.
Interações: Foram relatadas as seguintes interações: redução da actividade do cotrimoxazol na administração simultânea de antiácidos minerais, paraldeído e derivados do ácido para-aminobenzóico (por ex. benzocaína, procaína e tetracaína);
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Sulfametoxazol + Trimetoprim + Procaína

Observações: N.D.
Interações: Foram relatadas as seguintes interações: redução da actividade do cotrimoxazol na administração simultânea de antiácidos minerais, paraldeído e derivados do ácido para-aminobenzóico (por ex. benzocaína, procaína e tetracaína);
Redutora do efeito Terapêutico/Tóxico

Sulfametoxazol + Trimetoprim + Tetracaína

Observações: N.D.
Interações: Foram relatadas as seguintes interações: redução da actividade do cotrimoxazol na administração simultânea de antiácidos minerais, paraldeído e derivados do ácido para-aminobenzóico (por ex. benzocaína, procaína e tetracaína);
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Sulfametoxazol + Trimetoprim + Probenecida

Observações: N.D.
Interações: Foram relatadas as seguintes interações: efeito aumentado (potenciado) do cotrimoxazol na administração simultânea de probenecide, indometacina, fenilbutazona, salicilatos e sulfinpirazona;
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Sulfametoxazol + Trimetoprim + Indometacina

Observações: N.D.
Interações: Foram relatadas as seguintes interações: efeito aumentado (potenciado) do cotrimoxazol na administração simultânea de probenecide, indometacina, fenilbutazona, salicilatos e sulfinpirazona;
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Sulfametoxazol + Trimetoprim + Fenilbutazona

Observações: N.D.
Interações: Foram relatadas as seguintes interações: efeito aumentado (potenciado) do cotrimoxazol na administração simultânea de probenecide, indometacina, fenilbutazona, salicilatos e sulfinpirazona;
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Sulfametoxazol + Trimetoprim + Salicilatos

Observações: N.D.
Interações: Foram relatadas as seguintes interações: efeito aumentado (potenciado) do cotrimoxazol na administração simultânea de probenecide, indometacina, fenilbutazona, salicilatos e sulfinpirazona;
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Sulfametoxazol + Trimetoprim + Sulfinpirazona

Observações: N.D.
Interações: Foram relatadas as seguintes interações: efeito aumentado (potenciado) do cotrimoxazol na administração simultânea de probenecide, indometacina, fenilbutazona, salicilatos e sulfinpirazona;
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Sulfametoxazol + Trimetoprim + Metenamina (hexametilenotetramina)

Observações: N.D.
Interações: Foram relatadas as seguintes interações: risco aumentado de cristalúria no caso de terapêutica concomitante com metenamina por acidificação da urina, por ex. com mandelato de metenamina;
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Sulfametoxazol + Trimetoprim + Ácido para-aminosalicílico

Observações: N.D.
Interações: Foram relatadas as seguintes interações: toxicidade aumentada do cotrimoxazol com a administração de ácido p-aminosalicílico, barbitúricos ou primidona;
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Sulfametoxazol + Trimetoprim + Primidona

Observações: N.D.
Interações: Foram relatadas as seguintes interações: toxicidade aumentada do cotrimoxazol com a administração de ácido p-aminosalicílico, barbitúricos ou primidona;

Sulfametoxazol + Trimetoprim + Pirimetamina

Observações: N.D.
Interações: Foram relatadas as seguintes interações: alterações dos parâmetros hematológicos (particularmente anemia megaloblástica) por utilização concomitante de medicamentos contendo pirimetamina numa dose superior a 25 mg por semana;

Sulfametoxazol + Trimetoprim + Ciclosporina

Observações: N.D.
Interações: Foram relatadas as seguintes interações: deterioração reversível da função renal com a administração de ciclosporina;
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Sulfametoxazol + Trimetoprim + Diuréticos tiazídicos (Tiazidas)

Observações: N.D.
Interações: Foram relatadas as seguintes interações: risco aumentado de trombocitopenia em doentes idosos na terapêutica simultânea com diuréticos (principalmente tiazidas);

Sulfametoxazol + Trimetoprim + Mercaptopurina

Observações: N.D.
Interações: Foram relatadas as seguintes interações: perturbação da reabsorção da 6-mercaptopurina com limitação do efeito anti-leucémico da 6-mercaptopurina;

Azitromicina + Sulfametoxazol + Trimetoprim (Cotrimoxazol)

Observações: N.D.
Interações: Trimetoprim/sulfametoxazol: Não foram observados efeitos significativos nas concentrações máximas, na exposição total ou na excreção urinária, tanto do trimetropim como do sulfametoxazol, quando a associação trimetoprim/sulfametoxazol DS (160 mg/800 mg), durante 7 dias, foi coadministrada com 1200 mg de azitromicina no 7º dia. As concentrações séricas da azitromicina foram similares às observadas noutros estudos.

Maraviroc + Sulfametoxazol + Trimetoprim (Cotrimoxazol)

Observações: n.d.
Interações: ANTIBIÓTICOS: Sulfametoxazol/Trimetoprim 800 mg/160 mg BID: (maraviroc 300 mg BID) As concentrações de sulfametoxazol/trimetoprim não foram calculadas; não se espera efeito. maraviroc 300 mg duas vezes por dia e sulfametoxazol/trimetoprim podem ser coadministrados sem ajuste da dose.

Micofenolato de mofetil + Sulfametoxazol + Trimetoprim (Cotrimoxazol)

Observações: N.D.
Interações: Trimetoprim/sulfametoxazol: Não se observou qualquer efeito na biodisponibilidade do AMF.
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Antiarrítmicos + Sulfametoxazol + Trimetoprim (Cotrimoxazol)

Observações: Aumentam a depressão do miocárdio quando são administrados com outros AA. Aumentam o risco de arritmias ventriculares quando são dados com AA que prolongam o intervalo QT
Interações: Amiodarona: aumento do risco de arritmias ventriculares em uso concomitante com: - Sulfametoxazol + Trimetoprim

Indinavir + Sulfametoxazol + Trimetoprim (Cotrimoxazol)

Observações: n.d.
Interações: INDINAVIR NÃO POTENCIADO ANTI-INFECCIOSOS: Antibióticos: Sulfametoxazol/Trimetoprim 800 mg/160 mg BID (Indinavir 400 mg QID) Indinavir e sulfametoxazol/ trimetoprim podem ser administrados concomitantemente sem ajuste posológico.
Potencialmente Grave

Ibuprofeno + Paracetamol + Sulfametoxazol + Trimetoprim (Cotrimoxazol)

Observações: n.d.
Interações: Foram detetadas as seguintes interações de paracetamol com outros medicamentos: • Ocorreu hepatotoxicidade grave após o uso de paracetamol num doente a tomar zidovudina e cotrimoxazol.
Sem significado Clínico

Lamivudina + Sulfametoxazol + Trimetoprim (Cotrimoxazol)

Observações: Os estudos de interação só foram realizados em adultos. A probabilidade de interações metabólicas é baixa devido aos limitados metabolismo e ligação às proteínas plasmáticas e à quase completa depuração renal. O metabolismo da lamivudina não envolve o CYP3A, pelo que são pouco prováveis as interações com medicamentos metabolizados por este sistema (por ex. PIs).
Interações: A administração de trimetoprim/sulfametoxazol, 160 mg/800 mg, resulta num aumento de 40% na exposição à lamivudina, devido ao componente trimetoprim; o componente sulfametoxazol não interagiu. No entanto, a menos que o doente tenha compromisso renal, não é necessário ajuste da dose de lamivudina. A lamivudina não tem efeito na farmacocinética do trimetoprim ou do sulfametoxazol. Quando a administração concomitante é justificada, os doentes devem ser monitorizados clinicamente.

Lamivudina + Zidovudina + Sulfametoxazol + Trimetoprim (Cotrimoxazol)

Observações: Os ensaios clínicos demonstraram que não existem interações clinicamente significativas entre a lamivudina e a zidovudina. A zidovudina é principalmente metabolizada pelas enzimas UGT; a administração concomitante de indutores ou inibidores das enzimas UGT pode alterar a exposição à zidovudina. A lamivudina é depurada ao nível renal. A secreção renal ativa da lamivudina na urina é mediada através de transportadores catiónicos orgânicos (OCTs); a administração concomitante de lamivudina com inibidores OCT ou fármacos nefrotóxicos pode aumentar a exposição à lamivudina. A lamivudina e a zidovudina não são significativamente metabolizadas pelas enzimas do citocromo P450 (tais como CYP 3A4, CYP 2C9 ou CYP 2D6) nem inibem ou induzem este sistema enzimático. Assim, o potencial para interações com antirretrovirais inibidores da protease, não nucleosídeos e outros medicamentos metabolizados pelas principais enzimas P450 é baixo. Foram realizados estudos de interação apenas em adultos.
Interações: Trimetoprim/sulfametoxazol: Não é necessário ajuste de dose de Lamivudina + Zidovudina, exceto se o doente tiver compromisso renal. Quando a administração concomitante com cotrimoxazol é justificada, os doentes devem ser monitorizados clinicamente. Doses elevadas de trimetoprim/sulfametoxazol para o tratamento da pneumonia a Pneumocystis jirovecii (PCP) e da toxoplasmose não foram estudadas e devem ser evitadas Doses elevadas de trimetoprim/sulfametoxazol para o tratamento da pneumonia a Pneumocystis jirovecii (PCP) e da toxoplasmose não foram estudadas e devem ser evitadas. Trimetoprim/sulfametoxazol: Interação não estudada. Não é necessário ajuste de dose de Lamivudina + Zidovudina, exceto se o doente tiver compromisso renal. Doses elevadas de trimetoprim/sulfametoxazol para o tratamento da pneumonia a Pneumocystis jirovecii (PCP) e da toxoplasmose não foram estudadas e devem ser evitadas.
Multiplos efeitos Terapêuticos/Tóxicos

Anticoagulantes orais + Sulfametoxazol + Trimetoprim (Cotrimoxazol)

Observações: Intensamente ligados às proteínas plasmáticas. O metabolismo pode ser induzido. Susceptível à inibição do metabolismo pelo CYP2C9. A resposta anticoagulante pode ser alterada por fármacos que afectam a síntese ou o catabolismo de factores da coagulação.
Interações: Varfarina: Aumentam o efeito do anticoagulante com risco de hemorragia: Salicilatos: inibição plaquetar com o ácido acetilsalicílico, mas não com outros salicilatos; em doses elevadas possuem efeito hipoprotrombinémico. Sulfametoxazol + Trimetoprim: inibem o metabolismo da varfarina e deslocam-na da proteína de transporte - Sulfametoxazol + Trimetoprim

Sirolímus + Sulfametoxazol + Trimetoprim (Cotrimoxazol)

Observações: Os estudos de interação só foram realizados em adultos.
Interações: Não foi detetada nenhuma interação farmacocinética com significado clínico entre o sirolímus e os seguintes fármacos: aciclovir, atorvastatina, digoxina, glibenclamida, metilprednisolona, nifedipina, prednisolona e trimetoprim/sulfametoxazol.

Ciclosporina + Sulfametoxazol + Trimetoprim (Cotrimoxazol)

Observações: Interações medicamentosas: Encontram-se descritos de seguida os vários fármacos para os quais há relatos de interações com a ciclosporina, devidamente fundamentadas e consideradas como tendo implicações clínicas. São conhecidos vários fármacos que aumentam ou diminuem os níveis plasmáticos ou sanguíneos de ciclosporina habitualmente pela inibição ou indução de enzimas envolvidos no metabolismo da ciclosporina, em particular as enzimas do citocromo P450.
Interações: Outras interações medicamentosas relevantes: Deve ser tomada precaução quando se utiliza ciclosporina juntamente com outros fármacos que exibem sinergia nefrotóxica, amiglicosídeos (incluindo gentamicina, tobramicina), anfotericina B, ciprofloxacina, vancomicina, trimetoprim (+sulfametaxazol), anti-inflamatórios não esteróides (incluindo diclofenac, naproxeno, sulindac), melfalam.

Nevirapina + Sulfametoxazol + Trimetoprim (Cotrimoxazol)

Observações: n.d.
Interações: Metabolitos da nevirapina: Estudos utilizando microssomas hepáticos humanos indicaram que a formação dos metabolitos hidroxilados da nevirapina não era afetada pela presença de dapsona, rifabutina, rifampicina e trimetoprim/sulfametoxazol. O cetoconazol e a eritromicina inibiram significativamente a formação de metabolitos hidroxilados da nevirapina.
Sem significado Clínico

Rifabutina + Sulfametoxazol + Trimetoprim (Cotrimoxazol)

Observações: n.d.
Interações: ANTI-PCP (Pneumocystis carinii pneumonia): Sulfametoxazol/Trimetoprim: Efeito na rifabutina: Sem alterações significativas na Cmax e AUC Efeito no fármaco coadministrado: Aproximadamente ↓ 15% a 20% na AUC Noutro estudo, apenas o trimetoprim (não o sulfametoxazol) originou ↓ 14% na AUC e ↓ 6% na Cmáx mas não foi considerado clinicamente significativo. AUC - área sob a concentrações vs. Curva do tempo Cmax – Concentrações sérica máxima

Atorvastatina + Perindopril + Sulfametoxazol + Trimetoprim (Cotrimoxazol)

Observações: Não foram realizados estudos de interação medicamentosa com este medicamento e outros medicamentos, embora alguns estudos tenham sido realizados com atorvastatina e perindopril separadamente. Os dados de estudos clínicos demonstram que o duplo bloqueio do sistema renina-angiotensina-aldosterona (SRAA) através da utilização combinada de IECAs, antagonistas dos recetores da angiotensina II ou aliscireno está associado ao aumento da frequência de eventos adversos, tais como hipotensão, hipercaliemia, diminuição da função renal (incluindo insuficiência renal aguda) comparativamente com a utilização de um único medicamento que atua no SRAA.
Interações: Utilização concomitante não recomendada: Perindopril Cotrimoxazol (trimetoprim/sulfametoxazol) Os doentes a tomar concomitante cotrimoxazole (trimetoprim/ sulfametoxazol) podem ter um risco de hipercaliemia aumentado.
Potenciadora do efeito Terapêutico/Tóxico

Azatioprina + Sulfametoxazol + Trimetoprim (Cotrimoxazol)

Observações: Os doentes devem ser aconselhados no sentido de informar o seu anestesiologista do tratamento com Azatioprina antes de uma cirurgia.
Interações: A terapêutica concomitante com azatioprina e inibidores da ECA, trimetoprim/sulfametoxazol, cimetidina ou indometacina aumenta o risco de mielossupressão.

Cefadroxil + Sulfametoxazol + Trimetoprim (Cotrimoxazol)

Observações: A ocorrência de diarreia pode prejudicar a absorção de outros medicamentos ficando assim a sua eficácia comprometida. Uma diurese forçada leva a uma diminuição dos níveis sanguíneos de cefadroxil.
Interações: Existem relatórios de estudos negativos com o trimetoprim-sulfametoxazol, roxitromicina e claritromicina, mas estes estudos ocorreram numa escala muito reduzida.
Informação revista e atualizada pela equipa técnica do INDICE.EU em: 21 de Agosto de 2018